Maior Lição do Mundo incentiva jovens a reduzir desigualdade

A iniciativa internacional pretende clarificar, junto de crianças e jovens, a consciencialização do papel que cada um deve ter na sociedade, apelando a uma cidadania mais ativa, contribuindo para um mundo menos desigual, mais seguro e mais sustentável.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Até 2030, e tendo em conta a agenda global da Organização das Nações Unidas (ONU), os representantes dos 193 estados-membros aprovaram, na Assembleia-Geral, em Setembro de 2015, 17 Objetivos de Desenvolvimentos Sustentável (ODS), com metas claras e orientadas para um modelo de governação global, ajustado às prioridades de cada país, mas tendo como finalidade a melhoria da condição de vida das populações, a erradicação da pobreza, a proteção do ambiente e a promoção da prosperidade.

Para a concretização destes objetivos não será suficiente o envolvimento dos agentes decisores. O compromisso deverá ser mais lato e contemplar o envolvimento dos cidadãos. A aposta é feita junto das camadas mais jovens, sendo a comunidade escolar o ponto de partida para a divulgação, incentivo e inspiração da nova agenda global.

Se atentarmos à Convenção sobre os Direitos das Crianças, todas têm o direito de aprender em segurança e a serem protegidas de todas as formas de violência dentro e fora das escolas. Mas para que isso seja uma realidade, é necessário a criação de ambientes de aprendizagem seguros, protegendo-os e eliminando qualquer forma de bullying, punições corporais ou outras formas de violência.

Aprender em segurança é o mote para a quarta Maior Lição do Mundo e o envolvimento das escolas nesta iniciativa pretende alargar horizontes para o conhecimento da agenda dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis que abordam questões pertinentes globais.

Promovida em Portugal pelo Comité Português para a UNICEF e pela Direção Geral de Educação, a Maior Lição do Mundo pretende reunir esforços para desenvolver esta iniciativa e envolver o maior número de crianças a viver em Portugal. E assim o desafio é lançado às escolas. No ano letivo 2018/2019, estava, em cima da mesa, o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 4, que refere a importância de uma educação de qualidade e o ODS 16 que evoca a promoção da paz e da justiça.

O reconhecimento mundial de que nem todas as crianças têm acesso às mesmas oportunidades, deposita na educação um papel fundamental para o desenvolvimento e combate às desigualdades, transformando a paz e a justiça em duas armas essenciais na construção de sociedades mais justas. O problema deverá ser avaliado de forma macro mas sempre tendo em vista a resolução de questões a nível local com atitudes e comportamentos de cidadania atenta e ativa.

Desde o pré-escolar até ao secundário, qualquer escola pode desenvolver uma iniciativa com vista aos ODS. A Maior Lição do Mundo arranca no início de cada ano letivo e as escolas interessadas devem promover uma sessão de abordagem com a presença de alunos e professores, onde se debatem as ideias a desenvolver ao longo do ano letivo e de acordo com as ODS selecionadas, potenciando um trabalho de continuidade.

Em função do projeto educativo, há a flexibilidade das escolas trabalharem com os alunos outras temáticas relacionadas com os 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. Os trabalhos não têm limite de alunos participantes e podem ser apresentados mediante formulário próprio e nas mais variadas formas.
Textos, reportagens, jogos didáticos, postais, exposições e trabalhos multimédia são alguns dos exemplos dos suportes onde os alunos poderão expressar as suas vontades de mudar o mundo e tornar este planeta mais sustentável e equilibrado.

De todos os trabalhos submetidos ao longo do último ano letivo, a UNICEF selecionou os 15 trabalhos que melhor refletiam a temática solicitada com vista às boas práticas e indo ao encontro da agenda global. Os trabalhos foram divididos por faixas etárias, resultando na seleção de cinco trabalhos por categoria.
Na categoria pré-escolar, o Colégio Paulo VI, de Gondomar, envolveu 23 crianças da sala dos quatro anos. 'Um por todos e todos por um' foi o lema adotado por este grupo para trabalhar competências na defesa dos direitos das crianças e no desenvolvimento mais sustentável, privilegiando o trabalho com as famílias e a comunidade local.

A Academia de Música e Belas Artes Luísa Todi, em Setúbal, trabalhou o bullying com 22 alunos do quarto ano na categoria de 1º e 2º ciclos. O projeto  de nome 'Estás a olhar para onde?!?: Agir contra o Bullying' levou à concretização de um jogo de tabuleiro, desenvolvido em contexto educação para a cidadania, obrigando a uma reflexão acerca da violência verbal, física e emocional. Ter uma nova perspetiva sobre o bullying, possibilita que as crianças compreendam este fenómeno, de forma a combatê-lo e ajudar outros a enfrentar e lidar com o problema.

A Maior Lição do Mundo para a categoria de 3º ciclo e secundário é proveniente do Agrupamento de Escolas em Constância. 31 alunos do 11º anos e 20 alunos do 12º ano, em pleno exercício de cidadania ativa, desenvolveram uma atividade de reflexão em torno dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, conseguindo formular propostas de melhoria a implementar na escola, bem como iniciativas contributivas para a sustentabilidade do planeta. Tendo em conta o tipo de atividade proposta e realizada, o envolvimento da comunidade escolar tornou-se fundamental para a disseminação das ideias, com recurso a metodologias ativas e tendo como referências a Estratégia Nacional de Educação Para a Cidadania e o Referencial Aprender com a Biblioteca Escolar.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.