Literacia digital em territórios prioritários

Make Code é um projeto coordenado pela Fundação da Juventude que quer contrariar o fraco nível de competências digitais dos alunos mais novos, dos primeiros níveis de ensino. A iniciativa abrange cerca de oito mil estudantes e mais de 500 professores da região Norte do país.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
O mundo é global, as competências digitais são cada vez mais uma prioridade, as habilidades neste universo sem fronteiras fazem toda a diferença. O projeto Make Code: Programa o Teu Futuro, da Fundação da Juventude, está no terreno para aumentar os níveis de literacia digital e combater os baixos níveis de competências da população mais nova nesta área tão extensa. A iniciativa dirige-se a cerca de oito mil alunos, do 1.º ao 3.º ciclos, com idades compreendidas entre os seis e os 15 anos, e envolve mais de 500 professores e diretores das escolas que integram os Territórios Educativos de Intervenção Prioritária (TEIP) da Região Norte.

O projeto promove, junto de quem estuda e de quem ensina, os conhecimentos básicos associados à codificação e à ciência da computação, através da criação e conceção de produtos digitais, utilizando o Micro:bit, uma placa de microcontrolador, e o Minecraft: Education Edition, ferramentas do bloco Make Code, da Microsoft.

Os professores têm acesso às ferramentas necessárias para ensinarem os seus alunos a programar. A Fundação da Juventude garante que qualquer professor de qualquer disciplina pode participar no projeto, mesmo que não tenha conhecimentos de programação. No âmbito do projeto, são promovidos workshops dirigidos aos docentes em Micro:bit e em Minecraft, de seis e quatro horas, respetivamente. Cada professor tem ainda, e numa fase posterior, apoio na implementação dessas tecnologias em sala de aula, em cada uma das suas turmas, num total de seis horas distribuídas em blocos de duas horas.

As escolas recebem gratuitamente kits de Micro:bit e licenças Minecraft: Education Edition para utilização dos alunos e professores envolvidos. Para concretizar este projeto, a Fundação da Juventude conta com a colaboração da ATEC – Academia de Formação que possui consultores e formadores especializados em programação e robótica, que ficam responsáveis pelas ações com os professores e dão apoio na parte de implementação com os alunos. A avaliação do impacto está a cargo da Sociedade Portuguesa de Inovação (SPI), entidade que possui uma experiência significativa de avaliação de projetos e programas.

A Fundação da Juventude adianta que o Make Code encaixa nas prioridades dos eixos da Inclusão e Educação da Iniciativa Nacional de Competências Digitais e.2030 (INCoDe.2030), “ao estimular e reforçar os domínios da literacia digital e das competências digitais nas camadas mais jovens da população das escolas que se localizam em territórios económica e socialmente desfavorecidos, marcados pela pobreza e exclusão social, onde a violência, a indisciplina, o abandono e o insucesso escolar mais se manifestam”.

O projeto tem a duração de três anos, conta com os apoios do Programa Portugal Inovação Social e da Microsoft, como investidor social, e é cofinanciado pelo Programa Operacional Capital Humano, Portugal 2020 e União Europeia - Fundo Social Europeu.

Informações:
https://www.makecode.pt/

    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.