Ano letivo: Ministro diz que “começar e acabar a tempo passou a ser a norma”

O ministro da Educação disse hoje na Lourinhã que “começar e acabar a tempo o ano letivo passou a ser a norma”, depois de pela primeira vez os professores contratados terem sido colocados em meados de agosto.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
“Começar e acabar o ano letivo a tempo passou a ser a norma”, afirmou Tiago Brandão Rodrigues aos jornalistas, durante uma visita a uma escola na Lourinhã, no distrito de Lisboa.

Neste arranque do ano letivo, Tiago Brandão Rodrigues disse que “está tudo a postos”, depois de “este ano, de forma absolutamente inédita”, os professores contratados terem sido colocados a 16 de agosto nas escolas.

“As escolas puderam conhecer o seu corpo docente completo a meio de agosto e nunca tal tinha acontecido e isso permite uma estabilidade, uma previsibilidade e uma preparação da primeira semana deste ano letivo”, explicou.

Em vez da colocação de professores, “agora são outras as preocupações relativamente à pedagogia, projetos a desenvolver para garantir sucesso escolar para incluir mais aqueles alunos que têm uma determinada deficiência ou necessidades educativas especiais”, frisou.

Hoje termina o prazo para as escolas públicas iniciarem o ano letivo.

De visita a uma escola que aposta no desporto escolar, o governante lembrou que o desporto escolar vai ser reforçado em 200 horas semanais neste ano letivo.

Durante os últimos quatro anos da atual legislatura, esse reforço consubstanciou-se em mais 800 horas.

O governante anunciou ainda que, pela primeira vez, a Unicef vai associar-se à Taça do Desporto Escolar, cuja final se realiza em 2020 em Melgaço, no distrito de Viana do Castelo.

“A Taça do Desporto Escolar terá associada a Unicef, que tem também como missão desenvolver o desporto como uma das valências a que as crianças têm direito”, disse, adiantando que a chancela da Unicef tem como finalidades “apelar para que as crianças e jovens conheçam as instituições internacionais e para que entendam os direitos na infância, como apela as Nações Unidas”.

A Escola Básica de Miragaia, pertencente ao Agrupamento de Escolas da Lourinhã, na zona mais interior do concelho, possui cerca de 400 alunos.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.