Costa realça aumento de alunos nas instituições de ensino superior do interior

O secretário-geral do PS afirmou ontem, que, nos últimos quatro anos, o número de alunos colocados nas universidades e nos politécnicos do interior do país aumentou 13% devido às medidas tomadas pelo Governo.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
"E, se em todo o país, aumentaram o número de estudantes do ensino superior inscritos nas universidades e nos politécnicos, o maior crescimento, 13% ao longo destes quatro anos, foi precisamente nas universidades e nos politécnicos do interior, porque estamos a chamar nova juventude, novos quadros para estes territórios", disse o secretário-geral do PS e atual primeiro-ministro, no comício realizado ontem na Praça do Município, na cidade da Guarda.
Condições para prosseguir os estudos
No seu discurso, também reconheceu que hoje, "felizmente", as famílias portuguesas "têm melhores condições para assegurar que os seus filhos possam prosseguir os seus estudos".

“E muitos daqueles que tinham abandonado os seus estudos estão hoje a regressar às universidades e aos politécnicos para poderem prosseguir os seus estudos", evidenciou.

Erasmus Interior

Na sua intervenção de sábado, na abertura da campanha nacional do Partido Socialista, em Vila Real, tendo em vista as eleições legislativas de 06 de outubro, o líder nacional do PS disse ainda querer criar um Erasmus Interior para os jovens portugueses que “só conhecem a país da onda do surf” tenham a oportunidade de conhecer “outros territórios, saberes e espaços”, dentro do país.

Jovens do litoral devem conhecer o interior
“Tal como tem sido fundamental na formação da nossa juventude, poderem estar um ou dois semestres no estrangeiro, a aprenderem outras línguas, costumes e outras gentes, é também fundamental que possam ter a oportunidade de conhecer outros territórios, outros saberes e espaços no nosso país”, realçou o líder do Partido Socialista.

Para António Costa, os jovens “muitas vezes só conhecem o país da onda do surf e das praias do Algarve” e vão muitas vezes “com mais facilidade ao estrangeiro do que a Vila Real”.

O líder socialista defende que “todos devem ter a oportunidade” de conhecer todo o Portugal e que o programa Erasmus Interior pode permitir isso.

Desenvolver o interior
Com um discurso virado para o interior do país, António Costa destacou que ainda não está satisfeito, pois quer “fazer mais e melhor” nos próximos quatro anos.

“O interior, Portugal e os portugueses merecem ainda mais e melhor”, acrescentou.

O líder socialista propõe um programa de captação de investimento, diretamente dirigido para empresas que se venham a sediar em territórios de baixa densidade.

Mas o atual chefe de governo também pretende cativar investimento dos emigrantes que deixaram o país.

“Há muitos filhos e netos de transmontanos ou transmontanos que encontraram a sua vida lá fora, a quem dizemos venham investir em Portugal, nas vossas terras e é aqui que podem criar a riqueza que vos faltou e obrigou a partir e para que os que cá estão nunca mais tenham de partir e encontrem na terra todas as oportunidades de realização pessoal e profissional”, concretizou.

Resultados de acesso ao ensino superior já revelam efeitos das políticas em prol do interior

Os resultados do concurso de acesso ao ensino superior são positivos para os politécnicos e revelam já “claramente os efeitos” da política de reajuste de vagas em benefício das instituições no interior, defendeu o conselho coordenador destes institutos.

Em declarações à Lusa, em reação aos resultados da primeira fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior, o presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP), Pedro Dominguinhos, defendeu que os resultados são já visíveis quer nos alunos nacionais, quer nos internacionais.

“Já se notam claramente esses efeitos, com mais colocados no ensino superior. Dissemos que algumas coisas têm de ser feitas nesse sentido. Dissemos em primeiro lugar que as bolsas do [programa] +Superior deviam ser disponibilizadas aquando do concurso nacional de acesso - e já o são - e acho que isso foi positivo. Este ano até houve um aumento relevante do valor dessas bolsas, que acho também que é extremamente positivo. Nota-se esse efeito de mais estudantes nas instituições do ensino superior, que tem um efeito mais expressivo no número de colocados de estudantes internacionais”, disse.

Os politécnicos de Beja, Portalegre, Castelo Branco, Bragança, Guarda são exemplos de institutos onde as vagas para estudantes internacionais estão já todas preenchidas, com cerca de 100 a 200 estudantes internacionais acolhidos por cada instituição, em média, revelou Dominguinhos.

Maior credibilidade e confiança
“Cria-se aqui um ambiente de maior credibilidade, de maior confiança, quer a nível nacional quer a nível internacional, na atração de estudantes e esse é um efeito extremamente positivo e que resulta de uma estratégia concertada que temos vindo a delinear”, disse, referindo o trabalho em colaboração não só com a tutela, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES), mas também os ministérios dos Negócios Estrangeiros e da Economia, embaixadas e consulados.

Pedro Dominguinhos destacou ainda o trabalho de articulação com o Governo e com a diplomacia na atração de estudantes descendentes de emigrantes, que este ano registou “um crescimento muito significativo, que parece revelar que as iniciativas tomadas pelas instituições e pelo Governo ao longo destes últimos cinco ou seis meses junto das comunidades portuguesas surtiram efeito”.

Para o presidente do CCISP, “globalmente”, os resultados da primeira fase são positivos para todo o sistema público, com o crescimento do número de colocados, “expectável pelo número de candidatos” e que permite “voltar a uma tendência que tinha sido interrompida no ano passado”.

Destaca ainda o crescimento dos politécnicos “acima da média nacional”, que “consolida uma tendência” nos últimos anos, traduzida num crescimento em alunos destes institutos de 12% entre 2015 e 2019.

Competências digitais
Pedro Dominguinhos salientou ainda o “crescimento consistente” do número de estudantes nas áreas das competências digitais, nas quais “as instituições têm feito um esforço muito significativo” e “um investimento no número de vagas, no número de docentes e equipamentos” para responder às solicitações e a uma “estratégia clara de digitalização da economia”.

Formação de professores
O representante dos politécnicos sublinhou também a recuperação do interesse nos cursos de formação de professores.

“Houve aqui uma inversão de tendência que necessita de ser consolidada, em primeiro lugar, porque é preciso valorizar a formação de professores, em segundo lugar porque iremos assistir em breve a uma diminuição muito significativa do número de docentes através das aposentações que se perspetivam a partir de 2021. Estamos a falar entre 4.500 a 5.000 docentes por ano, que naturalmente implicam um esforço para trazer novos docentes para o sistema”, disse.

Pedro Dominguinhos declarou-se “satisfeito com os resultados, que significam mais estudantes para o ensino superior”.

“Nós sabemos que precisamos de mais estudantes no ensino superior, quer ao nível de mais jovens, quer também ao nível da formação ao longo da vida”, disse, acrescentando que “infelizmente”, muitos candidatos pela via dos maiores de 23 anos este ano não vão conseguir ter resposta pública ao seu desejo de entrar no ensino superior, uma vez que muitos cursos não deixaram qualquer lugar por preencher, e manifestando o desejo que nos próximos anos os concursos locais nas instituições possam dar resposta a esses casos.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.