Projeto Eco-Escolas promove sustentabilidade ambiental

Escola Básica do Prado é galardoada há mais de uma década
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Eco-Escolas é um programa de cariz internacional, coordenado pela FEE – Foundation for Environmental Education, e que está implementado em Portugal, desde 1996, pelas mãos da Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE). Esta Associação, uma organização não-governamental e sem fins lucrativos, dedica-se à educação para o desenvolvimento sustentável bem como à gestão e reconhecimento de boas práticas ambientais. Ao encorajar ações sustentáveis para o ambiente, o projeto Eco-Escolas reconhece e premeia o trabalho desenvolvido pelas escolas com base nos princípios da melhoria do desempenho ambiental, a forma como é gerido o espaço escolar e como é feita a sensibilização para a comunidade.

Consciente da importância da gestão e implementação de boas práticas ambientais aliadas ao gosto pela natureza, Luísa Fernandes, docente e coordenadora do projeto Eco-Escolas na JI/EB do Prado, em Vila Real, agarrou a oportunidade e submeteu a candidatura da sua escola em 2006 tendo obtido a distinção com o Galardão Eco-Escola.

Ao professor coordenador de cada escola compete reunir condições, elaborar estratégias e selecionar meios para implementar o projeto de acordo com os princípios necessários exigidos. E toda a dinâmica gira à volta do meio ambiente. Promover uma cidadania responsável, envolver a participação de crianças e jovens nas tomadas de decisão e contribuir para uma comunidade mais sustentável é uma metodologia de trabalho que já era a filosofia desta docente que faz do ensino uma profissão com quase 40 anos de serviço.

‘Quero ter crianças felizes’, este é o maior desafio de Luísa Fernandes. ‘O envolvimento dos alunos com a natureza é real e só traz benefícios. Só o facto de os tirar da sala de aula e dar-lhes a oportunidade de experimentar e vivenciar algumas das coisas que aparecem nos livros é sempre uma mais-valia e é como um laboratório vivo’ reitera a docente.

Anualmente há três temas que devem ser trabalhados e que são de caráter obrigatório. Pretende-se abordar boas práticas e sustentáveis ao nível da água, resíduos e energia. Para além disso, há sempre um tema que é acrescentado e trabalhado ao longo do ano que, para 2018/2019, podia ser a floresta ou o mar. Para este ano, a JI/EB do Prado acrescentou como temas opcionais os espaços exteriores, a biodiversidade, a alimentação e a agricultura biológica.

Mas para que tudo funcione na perfeição, é necessário muito planeamento e o envolvimento de toda a comunidade escolar. Para a concretização dos objetivos propostos, realizam-se reuniões regulares, tanto com os alunos como com os pais e as tarefas são distribuídas por todos. A monitorização das atividades está patente num quadro de tarefas com os diários de grupo. De forma sistemática, a informação reflete o que está bem, o que está mal, o que querem fazer e o que efetivamente fizeram por esta causa. ‘Temos uma escola democrática onde se fazem assembleias gerais e todos partilham a sua opinião. O facto de darmos voz às crianças envolvidas, trabalhamos valores, criamos laços e relacionamentos saudáveis entre eles e contribuímos de forma inequívoca para a formação cívica’, afirma Luísa Fernandes.

Para além de cultivarem boas relações interpessoais, estas crianças são igualmente responsáveis pelo cultivo de uma horta biológica e maneio com animais com vista a um projeto autossustentável. ‘As áreas envolvidas são trabalhadas por todos e assiste-se a um grande espírito de companheirismo e entreajuda. Só o facto de serem as crianças a semear, regar, ver crescer e colher tem para eles outro interesse e sabor. E mesmo aqueles que apresentam mais relutância a comer legumes e saladas não resistem a provar e passam a adorar porque sabem que tudo resulta do trabalho deles. A reeducação alimentar acaba por ser muito gratificante para todos. O envolvimento das famílias também é importante para que todos rumem no mesmo sentido. E quando há trabalhos mais pesados, o apoio dos pais é fundamental’ refere a coordenadora.

A promoção de uma alimentação saudável é uma preocupação constante e com recursos naturais dentro da própria escola, instituindo-se há já algum tempo que os bolos de aniversário são caseiros.

A realização de atividades abertas à comunidade, com venda de animais (têm patos, galinhas e coelhos) e produtos provenientes de agricultura biológica, permite financiar outros custos, a manutenção e melhoramento do espaço e a aquisição de ferramentas necessárias.

Planeamento, organização e dinamismo marcam o ritmo de trabalho. Aos conselhos Eco-Escolas são chamados a participar todos aqueles que, de uma forma ou de outra, têm participação ativa neste projeto. Pais, alunos, professores, funcionários e direção de agrupamento têm lugar garantido bem como os restantes parceiros. Estas reuniões contam, ainda, com representantes institucionais da Câmara Municipal e Junta de Freguesia, SEPNA, Quercus, Parque Natural do Alvão e da Universidade de Trás-os-Montes.

Galardoada consecutivamente há 12 anos, a JI/EB do Prado, na aldeia de Ferreiros, Vila Real, é também distinguida como ‘Escola Madrinha’ dando contributos, partilhando experiências e testemunhando para outras escolas que querem também elas dar os seus passos neste projeto aquilo que foram conquistando ao longo de todos estes anos de trabalho. E nem as férias são esquecidas. Há um trabalho de continuidade que precisa de ser mantido e assegurado por todos os intervenientes. ‘É um projeto de todos e para todos’ assegura Luísa Fernandes.   

Atualmente implementado em 67 países, o projeto Eco-Escolas é desenvolvido em mais de 51 mil escolas, alcançando e envolvendo mais de 19 milhões de alunos. Como o programa é coordenado a nível internacional, nacional, regional e escolar, é possível orientar objetivos, metodologias de acordo com a especificidade de cada escola e tendo em conta os seus alunos e o meio ambiente onde a escola está inserida. Em Portugal, os números registam a participação de 1500 escolas, 230 municípios e mais de 650 mil estudantes envolvidos.
   
Mais informações:
https://ecoescolas.abae.pt
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.