Ministro afirma que a ação dos jovens é essencial para atingir objetivos da agenda 2030

O ministro da Educação defendeu hoje que o conhecimento, a influência e a iniciativa dos jovens são essenciais para que possam ser alcançados os objetivos da agenda 2030 das Nações Unidas para o desenvolvimento sustentável.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Tiago Brandão Rodrigues falava à agência Lusa por telefone no final do 8.º Fórum da Juventude do Conselho Económico e Social (ESOCOC), que decorreu na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, entre segunda e terça-feira e no qual participou juntamente com o secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Rebelo.

“Viemos aqui ao Conselho Económico e Social para dizer que os jovens têm de ter um papel fulcral nesta implementação e nesse sentido o secretário-geral das Nações Unidas [António Guterres] lançou também uma estratégia para juventude que se chama juventude 2030 para envolver os jovens e para os poder capacitar neste caminho que estamos a fazer”, disse.

Para que o desenvolvimento sustentável preconizado pela Agenda 2030 das Nações Unidas possa ser alcançado, Tiago Brandão Rodrigues considera que é preciso o empenho e o envolvimento dos jovens que terão de passar para a geração seguinte as principais mensagens e tudo o que for alcançado nesta matéria.

 “Há muito por fazer e é preciso acelerar todos os esforços nacionais, regionais e globais para alcançar a agenda. O conhecimento, a influência e a inovação dos jovens são essenciais para que o desenvolvimento sustentável possa ser alcançado”, frisou.

O 8.º Fórum da Juventude do Conselho Económico e Social teve como tema “Juventude: Fortalecida, Incluída e Igual”, estando os trabalhos em linha com os objetivos da “Conferência Mundial de Ministros Responsáveis pela Juventude 2019 e do Fórum da Juventude” Lisboa+21, que se realiza em Lisboa, de 22 a 23 de junho, e que pretendem apresentar uma renovada Declaração sobre Políticas e Programas de Juventude (Lisboa+21), no quadro da Agenda 2030.

A agenda 2030 com 16 objetivos para o desenvolvimento é, segundo o ministro, uma resposta ambiciosa da comunidade internacional aos vários desafios do desenvolvimento global e orienta as prioridades para toda uma geração.

Tiago Brandão Rodrigues disse ainda que no 8.º Fórum da Juventude do ECOSOC que agora terminou “foi importante sentir o endosso das Nações Unidas e o interesse de muitos Estados membros e organizações que representam jovens na conferência mundial que terá lugar em Lisboa em junho.

“Este endosso das Nações Unidas é uma feliz coincidência, cumprimos agora 21 anos da Conferência Mundial que aconteceu em Lisboa em 1998 e que foi justamente uma aposta do então primeiro-ministro português que é agora secretário-geral das Nações Unidas. Lisboa + 21 marca uma nova agenda para a juventude com a ideia chave de que não se pode adiar mais e que adiar não é uma opção”, disse.

O resultado da conferência mundial em Lisboa, adiantou, será uma nova declaração que consiste numa renovada declaração de políticas e programas de juventudes.

“Queremos desencadear um debate profundo sobre os temas emergentes da juventude porque não ter jovens a pensar quais os problemas dos jovens é algo que traz dificuldades para alcançar os objetivos da agenda”, frisou Tiago Brandão Rodrigues.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.