Estudantes portugueses associam-se hoje à greve mundial pelo clima

Estudantes portugueses de pelo menos 26 cidades prometem hoje associar-se à greve mundial pelo clima, que visa exigir dos políticos ações concretas contra as alterações climáticas, segundo a organização.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
“O objetivo desta greve é chamar a atenção do Governo para a urgência deste problema e exigir uma ação governamental face ao mesmo, se não agirem agora será a geração atual de estudantes que irá sofrer mais, estão de certa forma a hipotecar as nossas hipóteses de futuro”, disse à Lusa Duarte Antão, um dos coordenadores nacionais da greve.

Numa antecipação dos protestos, de acordo com Duarte Antão, estudante da Faculdade de Direito de Coimbra, não é possível calcular o número de pessoas que vão sair à rua por todo o país, mas através das redes sociais e dos contactos que têm vindo a receber os “números parecem bastante promissores.”

Em Portugal, estão previstos protestos durante a manhã, entre outras cidades, em Lisboa, Porto, Coimbra, Faro, Covilhã, Aveiro, Évora e nos arquipélagos da Madeira e dos Açores.

As greves vão ter discursos, cânticos, cartazes e instalações de sensibilização, mas segundo Duarte Antão distinguem-se por serem “a primeira manifestação do país a unir todos os alunos desde crianças do jardim de infância até alunos de doutoramento" e é nessa "união" que reside a sua força.

Esta semana, os jovens que estão a organizar a greve climática estudantil foram recebidos pelo ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes. No final, o governante disse aos jornalistas que a defesa do ambiente “é a mais importante das causas pelas quais as pessoas se podem manifestar”, confessando-se satisfeito por ver a motivação dos jovens para lutar pela redução das emissões de dióxido de carbono (CO2).

A nível mundial, segundo a organização, centenas de milhares de alunos são esperados em mais de 100 países.

De acordo com a página eletrónica www.fridaysforfuture.org, que reúne os protestos anunciados em todo o mundo, até quinta-feira à noite estavam previstas 1.769 manifestações em 112 países.

Esta greve mundial de estudantes, que tem como lema "fazer greve por um clima seguro", culmina uma série de manifestações semanais iniciadas no ano passado pela adolescente sueca Greta Thunberg.

Em agosto do ano passado, a adolescente de 16 anos começou a faltar à escola à sexta-feira, colocando-se em frente ao parlamento sueco com um cartaz que dizia "greve da escola pelo clima".

A iniciativa inspirou jovens de outros países, que começaram a manifestar-se, nomeadamente na Bélgica, em França e na Alemanha, juntando milhares de alunos.

Milhares de estudantes esperados em protestos em 112 países
Numa concentração recente em Paris, os jovens gritavam: "Em 50 anos vocês estarão mortos, nós não".

Mas na "greve mundial pelo futuro", prevista para hoje, estudantes vão sair das escolas para se manifestar de Sydney a Lisboa, de Tóquio a Montreal, de Hong Kong a Kampala.

"Fazemos greve para dizer aos nossos governos que façam os seus deveres e mostrem-nos provas!", diz a organização na sua página na rede social Facebook.

Os jovens querem provas de que o mundo está a tomar as medidas necessárias para limitar o aquecimento global a um máximo de +2°C relativamente à era pré-industrial, como prevê o Acordo de Paris.

"Neste momento, os dirigentes dizem apenas que vão tentar dar o seu melhor", mas isso não chega, disse recentemente Greta Thunberg, que na quarta-feira foi nomeada para o Prémio Nobel da Paz por três deputados noruegueses.

Numa intervenção perante líderes políticos e empresariais na cimeira de Davos, este ano, Thunberg disse: “Não quero que vocês tenham esperança. Quero que entrem em pânico. E quero que sintam o medo que eu sinto todos os dias. E depois quero que ajam”.

A Amnistia Internacional avisou que um falhanço dos governos do mundo inteiro na gestão desta crise poderá revelar-se “uma das maiores violações dos direitos humanos intergeracionais da história".

O secretário-geral daquela organização de direitos humanos, Kumi Naidoo, disse ser "lamentável que as crianças tenham de sacrificar dias de aprendizagem na escola para pedir aos adultos que façam o que está certo".

"No entanto, eles sabem as consequências da atual vergonhosa inação, tanto para eles próprios como para as gerações futuras. Este devia ser um momento de dura autorreflexão para a classe política”, disse Naidoo.

Segundo a página da organização, os países com mais protestos previstos para hoje são França, Alemanha, Itália, Suécia, Estados Unidos e Reino Unido, país onde mais de 10 000 alunos saíram à rua num protesto do mesmo género no mês passado.

Na Bélgica, milhares de trabalhadores vão juntar-se aos estudantes em cidades como Antuérpia, Bruges e Liège, reunindo-se depois em Bruxelas numa manifestação maior, seguindo um apelo da união sindical socialista ABVV-FGTB, que representa 1,6 milhões de trabalhadores.

Também em França a união sindical CFDT apelou aos seus associados para se juntarem ao protesto estudantil de hoje.

Em Espanha estão previstas 62 greves, numa mobilização que está a fazer lembrar o "movimento dos indignados", que começou em 15 de maio de 2011.

Em Portugal estão previstos protestos em pelo menos 26 cidades como Lisboa, Porto, Coimbra, Aveiro, Covilhã, Évora e Faro.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.