Novo presidente do Júri Nacional de Exames assume funções na quarta-feira

O novo presidente do Júri Nacional de Exames (JNE), Luís Almeida, professor do agrupamento de escolas de Caneças, assume funções na quarta-feira, substituindo Luís Santos, que foi na passada semana nomeado diretor do Instituto de Avaliação Educativa.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Questionado pela Lusa, o Ministério da Educação (ME) adiantou que o novo JNE já integrava a delegação regional do JNE de Lisboa e Vale do Tejo e, “por designação, nas ausências e impedimentos”, substituía o coordenador desta estrutura regional quando necessário.

Luís Almeida assume funções depois de ter sido indicado para o cargo pelo Diretor-Geral da Educação, José Vítor Pedroso, ficando à frente do JNE durante três anos, um período que decorre da condição de diretor de serviço.

O Conselho de Ministros nomeou na passada semana a nova equipa diretiva do Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), atribuindo a presidência do instituto ao presidente do Júri Nacional de Exames (JNE), Luís Santos, agora substituído por Luís Almeida.

No comunicado da reunião do Conselho de Ministros, o Governo indicou que nomeou “Luís Miguel Pereira dos Santos, Anabela Barreira Antunes Serrão e Manuel António Carvalho Gomes, para os cargos de presidente e vogais do conselho diretivo do IAVE”.

Luís Santos sucede a Hélder Sousa, a quem o Governo não renovou o mandato à frente do IAVE, no instituto na dependência do ME que tem como função a elaboração de exames nacionais e provas finais. 

O JNE tem entre as suas atribuições a responsabilidade de “coordenar e planificar o processo de realização e classificação” dos exames nacionais e provas finais.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.