Governo promove ensino profissional, FENPROF diz que é "publicidade enganosa"

O Governo está desde ontem a percorrer as escolas básicas do país para promover o ensino profissional como opção no secundário, mas a FENPROF acusa o executivo de “publicidade enganosa” e de encaminhar alunos para uma via mal financiada.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Em comunicado divulgado no domingo, o Ministério da Educação divulgou que arrancou ontem o Roteiro do Ensino Profissional, uma iniciativa da Agência Nacional para a Qualificação e Ensino Profissional que até 14 de março vai percorrer 40 escolas básicas de todo o país para promover o ensino profissional secundário junto dos alunos do 9.º ano.  

Um dos objetivos declarados do executivo na área da educação é ter pelo menos metade dos alunos do ensino secundário matriculados na vertente profissional.

Em comunicado ontem divulgado, a Federação Nacional dos Professores (FENPROF) questiona se a iniciativa do Governo não será “apenas propaganda enganosa e palco para passear vaidades”.

“É bom lembrar que, como a FENPROF já denunciou diversas vezes, a forma de financiamento que vigora está na origem de as escolas públicas com cursos profissionais ainda nada terem recebido para financiar, este ano letivo, os cursos de 10.º e 11.º anos. Isto, apesar de o 2.º período letivo já se ter iniciado há um mês”, lê-se no comunicado da FENPROF.

A federação refere ainda que “há alunos que não recebem, há um ano, como têm direito, o subsídio para transporte e material, problema que algumas escolas têm tentado resolver, adiantando verbas de outras rubricas, o que tem provocado sérias dificuldades ao seu normal funcionamento” e que há casos, onde as escolas não têm essa disponibilidade de tesouraria em que “há alunos a desistir dos cursos por manifesta incapacidade financeira das respetivas famílias”.

“Se nas escolas públicas a situação é a que se conhece, no privado os problemas são, igualmente, muito graves. O financiamento é insuficiente, as candidaturas abrem tarde e é grande o atraso com que as verbas chegam para dar resposta a necessidades básicas de funcionamento, desde logo o pagamento de salários. Daí resultam sérias dificuldades para muitas escolas, que são obrigadas a recorrer à banca para satisfazer necessidades”, acrescenta a FENPROF.

Para a estrutura sindical a iniciativa do Governo revela uma “intenção de transferir verbas do Orçamento do Estado para fundos comunitários, alijando responsabilidades do Estado Português em relação à educação pública”, acusando ainda o executivo de “irresponsabilidade” na área da Educação, “suportada em mentiras criadas para vender ilusões”.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.