Secretária de Estado aponta flexibilização de currículos como desafio para ensino superior

A secretária de Estado adjunta do primeiro-ministro, Mariana Vieira da Silva, apontou ontem como desafios para a inovação no ensino superior a flexibilização de currículos e a diversificação de formas de acesso.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Mariana Vieira da Silva falava em Lisboa, na "Convenção Nacional do Ensino Superior 20/30", organizada pelo Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas.

Segundo a secretária de Estado, para que o ensino superior se inove é preciso "diversificar as portas de entrada", para que cada vez mais alunos com o ensino secundário concluído acedam às universidades e aos institutos politécnicos.

Além disso, sustentou Mariana Vieira da Silva, cada aluno deve poder "desenhar o seu percurso" académico, o que implica um outro desafio, o da "flexibilização de currículos".

A socióloga enumerou, ainda, a qualificação para as competências digitais, a "renovação de quadros" e o ensino de trabalhadores-estudantes - a "reconversão de ativos" - como desafios, numa curta intervenção, imposta pela organização, no encerramento do painel sobre inovação no ensino e nas ofertas formativas.

Antecedendo a secretária de Estado adjunta do primeiro-ministro, dirigentes de instituições de ensino superior advogaram um modelo de ensino mais flexível.

O vice-reitor da Universidade de Lisboa, António Feijó, reconheceu que a oferta de formação "devia ser mais ampla", assinalando que a "rigidez de oferta se torna impercetível à procura".

Para o presidente do Instituto Superior Técnico, Arlindo Oliveira, o "modelo tradicional de ensino começa a revelar-se desadequado", porque, invocou, os novos alunos do ensino superior surgem "com outras maneiras de aprender".

O especialista em inteligência artificial defendeu que a competitividade internacional do ensino superior português requer um "ensino mais criativo e flexível".

O ex-presidente do Instituto Politécnico de Leiria e atual presidente do IAPMEI - Agência para a Competitividade e Inovação, Nuno Mangas, concluiu, a este propósito, que as empresas "têm ambientes mais criativos" do que as instituições de ensino superior.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.