PS diz que Governo foi “um pouco sindicato” dos professores no descongelamento das carreiras

O líder parlamentar do PS, Carlos César, defende que, na solução encontrada para o descongelamento das carreiras, o Governo "foi um pouco sindicato" dos professores que "têm sido muito prejudicados pelo radicalismo sindical".
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Em entrevista à agência Lusa a propósito das negociações para o Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), questionado se, para o PS, o descongelamento das carreiras dos professores era um assunto resolvido depois de o Governo ter avançado unilateralmente para uma solução, Carlos César disse que era necessário fazer justiça.

"Eu acho que o Governo foi um pouco sindicato, também, dos professores", afirmou.
Para o líder parlamentar do PS a solução do executivo foi "um ganho obtido mercê da convicção do Governo de que era preciso fazer justiça".

Justiça feita, acrescentou, "no máximo das possibilidades e daquilo que não ponha em causa a sustentabilidade orçamental".

"Porque se fosse pelos sindicatos, estava-se mesmo a ver, ou era tudo ou não queriam nada para que houvesse radicalismo e insatisfação", criticou.

Na opinião de Carlos César, "para os portugueses em geral, e para os professores também, ficou muito evidenciado que uma forma de radical e irredutível de defesa de interesses profissionais nunca resulta em lado algum", porque que os docentes "têm sido muito prejudicados por esse radicalismo sindical".

"Foi importante que o Governo, apesar desse radicalismo, não adotasse uma estratégia de ‘ou tudo ou nada’ como os sindicatos e, por isso, os dois anos, nove meses e 18 dias que serão recuperados das carreiras dos professores representam um esforço muito significativo, um esforço de centenas de milhões de euros de acréscimo na despesa de pessoal e que darão um aumento médio de 4% no salário dos professores pelo menos até 2022", sublinhou.

Este descongelamento, precisou o socialista, "gera um aumento indireto da remuneração" e "implicará que mais de 45 mil professores subam de escalão".

Na sexta-feira, no final de uma reunião de negociação, o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, anunciou que o Governo tinha decidido avançar unilateralmente, sem acordo dos sindicatos, com a devolução de apenas dois anos, nove meses e 18 dias dos mais de nove anos de tempo de serviço congelados, a partir de 01 de janeiro de 2019, algo que os sindicatos já garantiram que não vão aceitar.

Surpreendidos com o anúncio, os sindicatos decidiram nesse dia que iriam pedir negociação suplementar ao Ministério e solicitar aos partidos que peçam a apreciação parlamentar do decreto-lei no momento em que este for aprovado, para "introduzir as alterações necessárias para torná-lo compaginável com a lei do Orçamento do Estado para 2018".

Segundo os sindicatos, o Orçamento do Estado para 2018 prevê a recuperação integral do tempo de serviço congelado.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.