Costa e FENPROF sem acordo sobre contagem do tempo de serviço dos professores

O primeiro-ministro, António Costa, foi hoje recebido em Paredes de Coura com um “lembrete” de duas dezenas de professores, acompanhados pelo líder da FENPROF, exigindo a contagem do tempo de serviço, terminando o encontro sem acordo.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
As palavras de ordem do cartaz “Contar Tempo de Serviço, Carreira Justa” deram o mote à conversa informal que António Costa e o líder da FENPROF, Mário Nogueira, mantiveram durante mais de 15 minutos, acompanhados pelo ministro da Educação, natural de Paredes de Coura.

Quando chegou à escola básica e secundária de Paredes de Coura, para visitar as obras em curso no valor de mais de dois milhões de euros, o primeiro ministro teve a iniciativa de dirigir-se a Mário Nogueira e, depois da conversa, ambos admitiram que não foi possível o acordo.

“Com um Governo que não conta o tempo completo dos professores, mesmo negociando o prazo e o calendário, não há acordo possível”, afirmou Mário Nogueira aos jornalistas.

Já o primeiro-ministro disse que “com um dirigente sindical tão intransigente, relativamente à proposta que o Governo apresentou, não há acordo possível”.

O líder da FENPROF recusou a ideia de manifestação, classificando a ação de hoje como um “lembrete” para “continuar a pressionar o Governo nesta matéria”.

Mário Nogueira adiantou ainda que vai pedir a negociação suplementar para ainda tentar um acordo, garantindo que caso isto não aconteça, as manifestações irão acontecer.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.