50 852 vagas nas universidades públicas

Primeira fase do concurso nacional de acesso ao Ensino Superior público começa nesta quarta-feira e termina a 7 de agosto. Há 28 138 vagas no ensino universitário e 22 714 no politécnico. Engenharias continuam a ter mais lugares disponíveis. Formação de professores e Ciências da Educação diminuem oferta.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Arranca hoje a primeira fase do concurso nacional de acesso ao Ensino Superior público para os alunos que concluíram o Ensino Secundário e que querem prosseguir os estudos académicos em universidades públicas. O prazo das candidaturas termina a 7 de agosto. Para o ano letivo 2018/2019, há 50 852 vagas no sistema público, mais 14 do que no ano letivo anterior, mais 164 do que em 2016, menos 2558 do que em 2000, ano com 53 410 lugares disponíveis. Das atuais vagas, 28 138 (55,3%) são no ensino universitário e 22 714 (44,7%) no ensino politécnico - proporção muito semelhante ao que se tem verificado nos últimos anos.

Às 50 852 vagas disponíveis acrescem 708 lugares para ingressar em cursos como Dança, Música e Teatro, entre outros, em que dada a natureza das formações, a candidatura é realizada através de concursos locais. Desta forma, as vagas disponibilizadas no atual concurso nacional de acesso sobem para as 51 560 em todo o país.

Tanto no concurso nacional como nos concursos locais por áreas de estudo, a proporção registada em 2017 mantém-se, com preponderância das Engenharias e Técnicas Afins com 9277 vagas (18%), Ciências Empresariais com 7607 vagas (14,7%), Saúde com 6707 vagas (13%). Na formação de professores e Ciências da Educação há 1204 vagas disponíveis, menos nove do que no ano anterior, menos 16 do que em 2016, mais 10 do que em 2015, e menos 24 do que em 2014.

O Governo decidiu estimular a afetação de vagas em determinadas áreas de formação que considera prioritárias para o desenvolvimento das políticas públicas em curso. Nesse sentido, a oferta de vagas na área das Tecnologias de Informação, Comunicação e Eletrónica volta a aumentar, crescendo 11,6% nas instituições localizadas em regiões com menor pressão demográfica e 4,5% na globalidade das instituições de Ensino Superior. Segundo a Direção-Geral do Ensino Superior, em apenas dois anos, o número de vagas nesta área de formação aumentou 7,1%. A oferta de vagas na área da Física volta também a aumentar, crescendo 3,3%. Nos últimos dois anos, o número de vagas cresceu 24,3%.

A distribuição de vagas inclui um aumento de 1080 vagas nas instituições localizadas fora de Lisboa e do Porto, num total de 29 851 vagas, e a redução de 1066 vagas nas universidades das duas cidades. A decisão já foi anunciada pela tutela do Ensino Superior que sublinha, a propósito, que “analisados os cursos que sofrerão uma redução do número de vagas e os 5% de últimos colocados em 2017, conclui-se que, caso esta opção já estivesse a ser implementada no ano transato, mais de 46% são estudantes deslocados com residência fora dos distritos de Lisboa e Porto”. “A fração do total de estudantes inscritos nas instituições de ensino superior públicas nos distritos de Lisboa e Porto cresceu de 42% em 2005/06, para 48% em 2012/2013, e 49% em 2016/2017”, acrescenta.

Beja, Guarda, Portalegre, Madeira e Açores são as regiões do país com menos vagas disponíveis, andam pelas centenas, mas não chegam aos milhares. A Universidade de Lisboa continua a ter o maior número de vagas, 7278 para o próximo ano letivo, embora menos 389 do que em 2017, seguindo-se a Universidade do Porto com 2895 vagas, menos 115 do que no ano passado. A Universidade de Coimbra tem 3257 vagas, mais 68 do que em 2017. A Universidade do Minho também tem mais lugares, 136, disponibilizando 2869 vagas. No fim da lista, surge a Escola Superior Náutica Infante D. Henrique com apenas 173 vagas. As escolas de enfermagem de Lisboa, Porto e Coimbra oscilam entre as 257 e as 320 vagas. A Universidade da Madeira tem 635 e a dos Açores 663.

As vagas encontram-se distribuídas por diversos cursos nas diferentes instituições de Ensino Superior, o que se traduz num conjunto de 1068 pares instituição/curso no âmbito do concurso nacional de acesso. Tendo em consideração a totalidade das instituições, verifica-se um ligeiro acréscimo de 0,2% no total de vagas.

Tal como nos anos anteriores, a candidatura é apresentada através do sistema online, no site da Direção-Geral do Ensino Superior (http://www.dges.gov.pt). Para aceder ao sistema de candidatura, os alunos podem utilizar a autenticação com o cartão de cidadão.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.