Greve dos professores às avaliações continua hoje, agora só convocada pelo S.T.O.P.

A greve dos professores às avaliações prossegue hoje, até dia 31 de julho, mas agora apenas convocada pelo Sindicato de Todos os Professores (S.T.O.P.), depois de a plataforma de dez estruturas sindicais ter encerrado a sua paralisação na sexta-feira. 
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Segundo o dirigente deste sindicato, André Pestana, são já mais de 100 escolas que manifestaram disponibilidade para dar continuidade à greve, ainda que de forma parcial, concentrada apenas nos conselhos de turma de alguns anos de escolaridade.

Desde junho que decorrem greves às avaliações de final de ano. O S.T.O.P. entregou um pré-aviso para paralisar as reuniões a partir de 04 de junho, conseguindo efeitos sobre as primeiras avaliações finais, que incidem nos alunos em anos de exames nacionais e provas finais.

Entre 18 de junho e sexta-feira decorreu também uma greve às avaliações convocada por uma plataforma de dez estruturas sindicais, entre as quais as duas federações (Fenprof e FNE).

Pelo meio, na primeira semana de julho, os professores foram obrigados a dar cumprimento aos serviços mínimos decretados por um colégio arbitral, para garantir que os alunos em anos de exame teriam as notas internas afixadas antes das datas de divulgação dos resultados das provas.

Milhares de conselhos de turma – reuniões de avaliação final para atribuição de notas – estão ainda por realizar.

A contagem de todo o tempo de serviço congelado para efeitos de progressão na carreira é a reivindicação que está na base das greves.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.