Sindicato de professores pede que ministro da Educação "se deixe de cinismo"

O Sindicato Independente de Professores e Educadores (SIPE) pediu ao ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, que "se deixe de cinismo" quanto à recuperação do tempo de serviço congelado para a progressão na carreira dos docentes.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
"Se nestas negociações, 'como acontece no tango, são precisos dois', é também preciso que o senhor ministro da Educação não tenha 'pés de chumbo' e se deixe de cinismo para que os professores não fiquem parados no mesmo sítio como estiveram durante nove anos, quatro meses e dois dias", refere o SIPE em comunicado, reagindo a declarações de Tiago Brandão Rodrigues hoje no parlamento.

"Pela minha parte e do Governo existe vontade de negociar, mas para uma negociação, tal como no tango, são precisos dois. São precisos passos para negociar", afirmou o ministro perante os deputados.

Os professores exigem, para efeitos de progressão na carreira, a recuperação de nove anos, quatros meses e dois dias de tempo de serviço congelado, ao passo que o Governo, na sua proposta mais recente, aponta a recuperação de cerca de três anos de serviço.

O sindicato criticou o ministro da Educação por afirmar na Assembleia da República que nunca fez chantagem durante a negociação do tempo de serviço quando, na reunião de 4 de junho, "declarou que ou os sindicatos aceitavam a proposta do Governo (...) ou não haveria tempo de serviço contabilizado para efeitos de progressão".

O processo de recuperação do tempo de serviço congelado, para efeitos de progressão na carreira dos professores, levou os sindicatos a marcarem greves que começaram na semana passada e poderão prolongar-se até ao próximo ano letivo.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.