Marta, Simone, Luís e Lourenço são os campeões da literacia

Literacia 3Di - O Desafio pelo Conhecimento premiou os melhores alunos do país em quatro áreas: Leitura, Matemática, Ciência e Inglês. Várias provas, uma final, prémios, e um gosto por aprender do tamanho do mundo. Os vencedores contam como foi e o que querem ser quando forem grandes.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Luís Adriano Gonçalves anda no 7.º ano nas Escolas de Melgaço, tem 13 anos, e venceu o Literacia 3Di – O Desafio pelo Conhecimento, iniciativa da Porto Editora, na área da Leitura. Fez algumas provas na aplicação do concurso, estava bastante tranquilo, e não pensava ganhar. Mas ganhou. “Foi relativamente fácil, mas confesso que tive de voltar a ler e reler, pois existiam bastantes rasteiras”, confessa. Luís adora ler e adora a escola. Lê todas noites, antes de se deitar. “A leitura permite-nos imaginar e sonhar com outros lugares, mundos ou até universos paralelos e navegar pelo tempo desde, por exemplo, a idade medieval até ao futuro mais distante”, conta ao EDUCARE.PT. E especifica as suas preferências. “Gosto muito de ler sobre ficção científica, mas também gosto de livros de aventuras e adoro a coleção CHERUB de Robert Muchamore”.

Luís ainda não sabe bem o que quer ser quando for grande. Já pensou ser advogado, mas desistiu da ideia. Neste momento, há outras profissões que lhe despertam o interesse: jornalista, especialista em marketing, arquiteto, ou CEO de uma empresa. Aprender enche-lhe as medidas. “A escola é um lugar onde podemos obter os conhecimentos intelectuais mas também sociais que nos ajudarão a ser, no futuro, cidadãos mais informados e com capacidade de sobreviver numa sociedade em constante crescimento, inovação e desenvolvimento”. Ciências Naturais é a disciplina preferida, mas também gosta de Matemática, Geografia, Físico-Química e Educação Física. “Não desgosto de nenhuma disciplina”, garante.

Lourenço Rebelo ganhou o prémio de Matemática do Literacia 3Di. Tem 10 anos, está no 5.º ano na Escola Básica de S. Gonçalo, em Torres Vedras. Estava nervoso no dia da final, apesar da preparação. Assistiu atentamente às aulas da disciplina, foi aos períodos de apoio, descarregou a aplicação do concurso, e fez alguns desafios. A primeira e a segunda fase não foram difíceis, a terceira foi mais complicada. Adora Matemática e quando for grande quer ser inventor de videojogos.

Lourenço gosta de fazer gráficos e tabelas e nas aulas extracurriculares está inscrito em Robótica e Culinária. “Na Matemática fascina-me o facto de ser utilizada todos os dias”, refere. Também gosta da escola. “Eu gosto muito da minha escola, pois tenho professores simpáticos e várias aulas extracurriculares. Gosto de Matemática e História e Geografia de Portugal”.

Um dia especial para quem sonha alto  
Marta Vasconcelos tem 13 anos, anda no 8.º ano da Escola Secundária Daniel Sampaio, em Almada, e venceu no Inglês do Literacia 3Di. Uma língua que não lhe é nada estranha. Uma língua muito presente nos desenhos animados, nos jogos, nos filmes, nas séries, nas pesquisas online, nas letras das músicas, que vê e escuta quase diariamente e há vários anos. “Todo o mundo tem estado repleto de conteúdos na língua inglesa”.

Não se preparou particularmente para a prova de Inglês. “Ao longo do dia, apercebi-me de muitos alunos que estavam a preparar-se para situações específicas, conversando com os seus acompanhantes. Pessoalmente, eu estava lá para me divertir, e ter ganho o concurso tornou o dia ainda mais especial tendo-me surpreendido completamente”, revela. Na sua opinião, saber Inglês abre portas do mundo, estica os horizontes. “É uma ponte para o mundo”, diz. É uma língua universal que permite estudar ou trabalhar em qualquer parte do planeta.

Marta quer seguir Engenharia Informática. “Além de ter uma grande paixão pelas Ciências, gosto muito também das Artes, por isso, tentarei combinar as duas, seguindo profissionalmente a área de User Experience e Web Design”. Marta sonha alto. “Além de todos estes desejos, uma das minhas maiores vontades é conseguir trabalhar numa empresa grande e com uma boa dinâmica de espaços e trabalho, como a Google, a Microsoft, a Amazon, a Facebook ou outras do mesmo género”, revela.

Marta gosta de Matemática e de Física e Química. Gosta da sua escola, mas, por vezes, pensa como seria a experiência de estudar num colégio privado. “O barulho excessivo e o mau comportamento que sucede à nossa volta tornam de certa maneira a aprendizagem mais difícil. No entanto, acho que tenho professores muito bons, que nos apoiam e incentivam a dar o nosso melhor”.

Simone Pinto tem 11 anos e anda no 6.º ano no Colégio Luso-Francês, no Porto. Foi a vencedora na categoria de Ciência. Preparou-se para o concurso, fez vários exercícios. Estava nervosa, mas, no fim, até achou que o desafio tinha sido fácil. Ciências é uma das suas disciplinas favoritas, além de Matemática, Educação Tecnológica e Educação Visual. Simone ainda não sabe bem o que quer ser quando for adulta. “Mas designer e engenheira estão na minha lista de preferências”, comenta.  

Um concurso, quatro dimensões  
Os vencedores tiveram direito a prémios. Três mil euros para os premiados na Leitura, Matemática e Ciência, atribuídos pela Fundação Montepio. Uma viagem de duas semanas a Cambridge para a vencedora na categoria de Inglês, assegurada pela Cambridge Assessment English. Um tablet e um telemóvel oferecidos pela Samsung e um cheque-prenda do Grupo Conselheiros da Visão, para todos. E ainda cinco mil euros para cada escola dos alunos vencedores.

Luís Adriano Gonçalves já decidiu o que vai fazer aos 3000 euros do prémio. Dois mil vão diretamente para a sua conta bancária. Quer poupar para viajar e “viver novas experiências”. Os restantes mil serão investidos num projeto pessoal. O telemóvel será para um familiar, o tablet fica para si e com o cheque dos Conselheiros da Visão vai comprar uns óculos de sol.

Lourenço Rebelo vai guardar os 3000 euros do prémio para quando chegar a hora de tirar a carta de condução e para, entretanto, frequentar alguns cursos de programação. Fica com o telemóvel e o tablet e vai comprar uns óculos de sol.

Marta Vasconcelos ganhou uma viagem a Cambridge para um curso de verão de duas semanas. O prémio assegura-lhe alojamento, alimentação, atividades. Já viu o programa e está radiante. Além do Inglês, terá uma série de atividades lúdicas como desporto, passeios a Londres e Oxford, à Universidade de Cambridge, visitas a museus, sessões de karaoke. “Estou particularmente curiosa por experimentar a vivência escolar britânica, dos seus horários à dinâmica dentro das aulas, e em fazer novas amizades com pessoas de todos os cantos do mundo”, afirma.

Simone Pinto ainda não decidiu o que vai fazer com os prémios conquistados na terceira edição do Literacia 3Di – O Desafio pelo Conhecimento que começou com 130 mil alunos, de cerca de 900 estabelecimentos do ensino público e privado, e terminou com a final de 86 alunos, em representação de todos os distritos do país e regiões autónomas, nas provas que tiveram lugar no Pavilhão do Conhecimento – Ciência Viva, em Lisboa.

Um concurso que é um desafio nacional dirigido a todos os alunos do 2.º e 3.º ciclos do Ensino Básico para testar e avaliar competências em quatro dimensões do saber: Matemática, Ciência, Leitura e Inglês. As provas são semelhantes a avaliações internacionais, feitas através da plataforma online Escola Virtual.

O Literacia 3Di estimula o desenvolvimento social e educacional e, ao mesmo tempo, promove o gosto pelo conhecimento. É uma iniciativa que conta com o Alto Patrocínio do Presidente da República, como reconhecimento pelo contributo dado à promoção da literacia em várias dimensões, e com o apoio de várias instituições e personalidades ligadas à educação e cultura.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.