Estudo indica que o envolvimento dos professores ajuda a combater abandono escolar precoce

O apoio e o envolvimento dos professores é um dos principais fatores para o combate ao abandono escolar precoce, indica um estudo europeu que integra a Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto (FPCEUP).
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Esta é uma das conclusões do projeto RESL.eu - Reducing Early School Leaving in Europe, que incide sobre os fatores que influenciam os jovens entre os 18 e os 24 anos na decisão de abandonar a escola e sobre as medidas de intervenção que os fazem regressar, aplicadas nos nove países europeus envolvidos no estudo.

“Apesar de a maioria das escolas analisadas serem caracterizadas pelo alto risco de abandono escolar precoce (AEP), devido às variáveis sociodemográficas e educacionais, os professores devem investir na melhoria das relações com o aluno, proporcionando um ambiente escolar seguro e coeso”, explicou a professora da FPCEUP Helena Costa Araújo, coordenadora do estudo a nível nacional.

A docente falava à Lusa à margem do VI Colóquio Internacional “Outros Sentidos para Novas Cidadanias”, que decorre entre ontem e hoje na FPCEUP, no qual estão a ser apresentados os resultados do RESL.eu.

A nível nacional, o estudo, financiado pelo 7.º Programa-Quadro da União Europeia, envolveu 2200 jovens de escolas regulares e de segunda oportunidade, do Porto e da Amadora, os pais e os diretores dos estabelecimentos de ensino.

Participaram ainda no projeto a Bélgica (que coordena o projeto), o Reino Unido, a Suécia, a Holanda, a Polónia, a Espanha, a Hungria e a Áustria, países escolhidos por representarem uma ampla gama de taxas de abandono escolar precoce.

Enquanto Portugal e Espanha têm “as taxas mais elevadas na UE”, a Polónia e a Áustria já apresentavam, em 2009, o objetivo previsto pela Europa para 2020, que passa por ter a taxa de abandono abaixo dos 10%.

Helena Costa Araújo contou que, apesar de se encontrar entre os países com uma das taxas mais elevadas, Portugal registou “uma diminuição significativa nesta área, graças a reformas abrangentes, de longo prazo, levadas a cabo no setor da educação”.

Exemplo disso, continuou, são a escolaridade obrigatória até aos 18 anos ou até ao 12.º ano, as vias de ensino alternativas e a implementação de tutores nas escolas.

A nível nacional, as taxas de abandono escolar precoce estão relacionadas com a repetição de ano, o insucesso escolar e com a necessidade de medidas organizacionais que incluam sistemas de alerta precoce e a sensibilização docente para medidas de intervenção.

De acordo com a coordenadora, reduzir o abandono precoce “está no topo da agenda política da UE”, uma vez que os baixos níveis de educação estão associados a elevados custos sociais e económicos.

Nas recomendações resultantes do projeto constam a criação de incentivos para aumentar o envolvimento dos pais, o desenvolvimento de medidas para apoiar aqueles que têm origens desfavorecidas e a promoção de políticas sociais que combatam a segregação e a desvantagem socioeconómica nas áreas urbanas.

Outras das medidas revelam a necessidade de um apoio educacional e de orientação profissional individualizado, em particular antes, durante e após os principais pontos de transição, como é o caso da passagem para o ensino secundário.

É também preciso apostar no reforço das vias de aprendizagem alternativas e criar uma estratégia nacional para reduzir o abandono escolar, que vá além de elevar a idade obrigatória da escolaridade, acrescentou.

Os responsáveis consideram igualmente importante promover o sentimento de pertença e a voz dos alunos, bem como garantir o acesso à formação profissional de alta qualidade, de forma a combater a estigmatização deste sistema, que auxilia os jovens a conciliar o trabalho e os estudos.

Para apoiar estas medidas, criaram uma ferramenta para os docentes e as direções de escolas avaliarem as situações de risco, encontrando medidas que podem ser tomadas para evitar o abandono precoce e os custos associados às mesmas.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.