Governo vai reativar grupo coordenador da Escola Segura

    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
O Governo vai reativar o grupo coordenador da Escola Segura para acompanhar a nível nacional as questões de segurança nos estabelecimentos de ensino e propor medidas às tutelas, anunciou à Lusa o Ministério da Administração Interna (MAI).

Criado em 2006, o grupo coordenador da Escola Segura cumpriu as suas competências inicialmente, mas com o decorrer do tempo a sua atividade foi diminuindo, tornando-se inexistente nos últimos anos, segundo o MAI.

Numa resposta enviada à agência Lusa, o MAI refere que foi decido reativar este grupo porque “é uma peça importante no âmbito das novas políticas” do Governo, estando o despacho para a sua publicação em processo de recolha de assinaturas por parte dos membros do executivo.

Constituído por representantes dos ministérios da Administração Interna e da Educação, o grupo coordenador tem como principal competência “a coordenação e acompanhamento a nível nacional do Programa Escola Segura e propor às tutelas a adoção de medidas”.

Este grupo tem ainda como missão “conceber, coordenar e executar as medidas de segurança no interior das escolas e no seu perímetro interior da vedação, incluindo a formação de pessoal docente e não docente”, indica ainda o MAI.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.