Deputada do PS quer estabilidade para profissionais que apoiam alunos com NEE

A deputada do PS Sandra Pontedeira defendeu hoje a necessidade de assegurar estabilidade aos docentes e outros profissionais que apoiam nas escolas as crianças com necessidades educativas especiais (NEE).
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Na sua opinião, importa “que a permanência deste pessoal seja mais estável”, disse Sandra Pontedeira à agência Lusa, na Lousã, dando o exemplo das unidades de ensino inclusivo e estruturado do Agrupamento de Escolas deste concelho do distrito de Coimbra.

A deputada, representante do PS no Grupo de Trabalho sobre Educação Especial, criado pelo Governo, lamentou o “grande retrocesso” na área das NEE verificado na vigência do Governo de Pedro Passos Coelho, entre 2011 e 2015.

Na Lousã, cuja Câmara Municipal é presidida por Luís Antunes, do PS, é necessário sobretudo “articular muito bem” o trabalho do pessoal não docente adstrito ao apoio dos alunos com necessidades educativas especiais, disse.

“Temos uma comunidade empenhada na qualidade”, afirmou Sandra Pontedeira, durante uma visita de deputados e dirigentes do PS ao Agrupamento de Escolas local, realçando que o trabalho com estas crianças constitui “uma mais-valia para a Lousã e para os concelhos vizinhos”.

No final da visita, o deputado Porfírio Silva, coordenador do PS na Comissão Parlamentar de Educação e Ciência, disse que “todos os partidos estão interessados em que se avance mais” neste domínio, melhorando a resposta das escolas às crianças com NEE.

O deputado Pedro Coimbra, por seu turno, enalteceu o trabalho dos estabelecimentos de ensino, autarquia e comunidade educativa da Lousã “na inclusão e integração dos cidadãos diferentes”.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.