PSICOLOGIA

Insucesso escolar

Numa reunião com professoras do 1.º ciclo, em que foi abordado o insucesso escolar, afirmei que a escola 'assassina' muitos alunos. Face ao olhar espantado das professoras presentes, acrescentei que é 'assassina' na medida em que, dá a muitas crianças a certeza de que não são capazes de fazer nada certo... a escola 'assassina' a autoestima de muitos alunos...
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Todos os alunos com insucesso escolar deveriam ler 'Calvin e Hobbes' para sentirem que não estão sós no mundo. Ler os pensamentos e os sentimentos do Calvin seria uma excelente forma de alguns alunos verem os seus próprios pensamentos e sentimentos refletidos no espelho. Este exercício poderia ajudá-los a relativizar um pouco a dificuldade em obter o tão desejado sucesso escolar!

Deixemos as consequências para o fim e comecemos pelas causas... As causas do insucesso escolar podem ser variadíssimas: problemas sensoriais, físicos, intelectuais, emocionais e processológicos são alguns dos responsáveis pelo insucesso escolar. Os problemas processológicos, mais vulgarmente designados por dificuldades de aprendizagem, são os que mais contribuem para o insucesso académico. Os alunos com dificuldades de aprendizagem apresentam problemas de receção, organização e expressão de informação. Estes, embora apresentem uma capacidade intelectual média ou acima da média, apresentam uma realização escolar que é abaixo da média numa ou mais áreas académicas, embora não em todas.

A discrepância entre a realização escolar e a capacidade intelectual é notória em uma ou mais das seguintes áreas: expressão oral, compreensão auditiva, expressão escrita, capacidade básica de leitura, compreensão da leitura, cálculos matemáticos e raciocínio matemático (Fedul Registar, 1977). Miranda Correia (1997) faz ainda referência a outro grupo de alunos considerados 'em risco educacional'. Estes alunos também poderão experimentar insucesso escolar na medida em que estão expostos a ambientes socioeconómicos e socio- emocionais muito desfavoráveis. Como poderão ter um percurso escolar 'normal' alunos (são tantos!) que vivem em condições habitacionais degradadíssimas e no seio de famílias completamente desestruturadas?

As consequências do insucesso poderão manifestar-se de formas diferentes, mas têm sempre na base uma forte desmotivação, uma baixa autoestima e um baixo autoconceito académico.

Numa reunião com professoras do 1.º ciclo, em que foi abordado o insucesso escolar, afirmei que a escola 'assassina' muitos alunos. Face ao olhar espantado das professoras presentes, acrescentei que é 'assassina' na medida em que, dá a muitas crianças a certeza de que não são capazes de fazer nada certo... a escola 'assassina' a autoestima de muitos alunos...

Quando o aluno sente que apesar do seu esforço não consegue obter sucesso, vai procurar proteger a sua autoestima desistindo da tarefa académica. Muitos destes alunos deixam de ir às aulas: as aulas tornam-se o espelho da sua incapacidade... A imagem que tem de si como estudantes é muito negativa (auto-conceito académico), por isso, procuram investir em atividades em que o sucesso seja realmente possível, por exemplo em atividades desportivas.

O número de alunos que abandonam a escola antes de concluir a escolaridade obrigatória e aqueles que apesar de estarem na escola não vão às aulas é assustador! Uma das razões que justificam fortemente este facto é sem dúvida a sua incapacidade em obter sucesso escolar. Associado ao vazio de nada ter para fazer vem tudo o resto: o primeiro contacto com a droga, a prostituição, a gravidez indesejada...

Não menos preocupante é a situação dos alunos que apesar do insucesso persistem na tarefa de aprender, vivendo dia a dia o sofrimento de receber negativa atrás de negativa... Muitos destes deprimem, outros permanecem em silêncio, sofrendo a angústia de não ser capaz...

As consequências são dramáticas... por esta razão, a escola tem urgentemente que se reorganizar para dar a cada aluno a possibilidade de desenvolver as suas áreas fortes. Só desta forma a escola poderá ser verdadeiramente inclusiva.
Adriana CamposLicenciada em Psicologia, pela Universidade do Porto, na área de nnConsulta Psicológica de Jovens e Adultos, e mestre em Psicologia nEscolar. Concluiu vários cursos de especialização na área da Psicologia,n entre os quais um curso de pós-graduação em Psicopatologia do Desenvolvimento, na UCAE. Atualmente, é psicóloga no agrupamento de Escolas Eng. Fernando Pinto de Oliveira, para além de dinamizar ações de formação em diversas náreas.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A informação aqui apresentada não substitui a consulta de um médico ou de um profissional especializado.
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários seja o primeiro!