PEDIATRIA

Pronação Dolorosa

A pronação dolorosa é uma lesão do cotovelo que ocorre frequente e exclusivamente em idade pediátrica.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
O que é a pronação dolorosa? A pronação dolorosa é uma lesão do cotovelo que ocorre frequente e exclusivamente em idade pediátrica. Trata-se de uma subluxação (separação parcial das superfícies articulares) da cabeça de um dos ossos do antebraço, o rádio, na zona do cotovelo. É a lesão do cotovelo mais frequente nas crianças e ocorre normalmente entre os 12 meses e os 4 anos.

Em que circunstâncias ocorre?
Normalmente, ocorre quando o membro superior da criança é puxado subitamente para cima quando esta tem o antebraço em pronação (isto é, com a palma da mão a apontar para trás). Este movimento é frequente quando a criança é elevada do solo pelas mãos, com os cotovelos esticados (comum quando esta tropeça e é puxada pela mão para não cair ao chão) ou, num movimento idêntico, quando se ‘pendura’ por uma ou ambas as mãos num sítio mais elevado (por exemplo, fazer ‘baloiço’ quando vai de mãos dadas com adultos). Outra situação comum é durante a brincadeira, quando o membro superior é puxado por alguém, muitas vezes outra criança. Nos bebés pequenos, este movimento pode ocorrer quando estes rebolam no berço.

Porque é que acontece?
Ao realizar o movimento descrito, a cabeça do rádio é puxada para fora do seu local natural no cotovelo e o ligamento que a ‘segura’ no sítio (ligamento anular) desliza para dentro da articulação, ficando ‘entalado’ entre as duas estruturas e impedindo o regresso da cabeça do rádio à sua posição natural. Isto ocorre porque o ligamento nas crianças é fino e elástico. Com o crescimento, este torna-se mais espesso e forte, pelo que a lesão não acontece nos mais velhos.

Como se manifesta?
Após a lesão, a criança sentirá dor local se tentar fazer supinação do antebraço (movimento contrário à pronação, ou seja, virar a palma da mão para a frente), porque estará a ‘apertar’ o ligamento que saiu do sítio. Assim, a criança evita fazer este movimento e tenderá a não utilizar o membro envolvido, mantendo-o quieto junto ao corpo, com o cotovelo estendido ou ligeiramente fletido e antebraço em pronação. Normalmente, os pais notam que, se oferecerem um brinquedo à criança, ela utiliza sempre o outro braço e, quando tentam examinar o braço afetado, esta chora.

Como se diagnostica?

O diagnóstico é clínico, ou seja, através do exame físico da criança e da história clínica fornecida pelos pais. Não é necessária radiografia ou outro exame complementar de diagnóstico.

O osso pode estar partido? Se o traumatismo tiver sido mais complexo que um simples ‘puxão’ pode haver fratura óssea – mas, nesse caso, existem outros achados ao exame físico, como inchaço da articulação e dor local, mesmo com o braço em repouso. Nesse caso, o médico pedirá uma radiografia.

Como se trata?

O tratamento consiste numa manobra feita por um médico. Não é preciso anestesia ou sedação – embora seja dolorosa para a criança, a manobra é rápida. É realizada uma manipulação específica no membro superior afetado, que devolve as estruturas à sua posição normal. O sucesso da manobra é confirmado quando a criança volta a movimentar o braço, o que habitualmente ocorre alguns minutos depois – algumas crianças poderão demorar mais tempo que outras a mover o braço, por receio que volte a doer. Depois disto, não é necessário imobilizar o braço nem fazer repouso.

Pode voltar a acontecer? Como prevenir?
Após o episódio, o ligamento anular fica ‘folgado’, pelo que é mais fácil voltar a acontecer. Até o ligamento ficar mais forte e tenso, o que acontece pelos 4-5 anos, a pronação dolorosa pode voltar a acontecer, pelo que é importante evitar, a todo o custo, puxar a criança pelo braço. Se a situação se repetir, a criança deverá ser levada ao médico, para que este realize a manobra – os pais não deverão tentar realizá-la, mesmo que já a tenham visto fazer uma vez ou mais.

Há consequências a longo prazo?
Não, a criança não ficará com sequelas ou limitações no futuro, mesmo que a pronação dolorosa ocorra mais que uma vez.

Catarina Faria e Inês de Medeiros, com a colaboração do Dr. Eduardo Almeida, Ortopedista Infantil do Centro Hospitalar do Porto
Serviço de Pediatria do Hospital de BragaEste espaço é da responsabilidade da equipa médica do Serviço de Pediatria do Hospital de Braga, instituição certificada pelo Health Quality Service (HQS).
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A informação aqui apresentada não substitui a consulta de um médico ou de um profissional especializado.
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.