EDUCAÇÃO

Inteligência lógico-matemática

A consciência de que existem formas diferentes de aprender e de ser inteligente é importante para que os professores possam adequar o ensino à diversidade dos seus alunos e para que estes se conheçam melhor e rentabilizem o seu trabalho adotando um método de estudo conveniente às suas características.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Já reparou que perante um mesmo problema há quem o resolva de forma lógica a partir de uma reflexão cuidadosa, enquanto outros procedem por tentativa e erro e outros ainda quase intuitivamente? Hoje em dia não se fala de inteligência mas sim de várias inteligências com características específicas. Gardner definiu sete inteligências: inteligência linguística, inteligência lógico-matemática inteligência visual-espacial, inteligência quinestésica, inteligência musical, inteligência interpessoal e inteligência intrapessoal. A consciência de que existem formas diferentes de aprender e de ser inteligente é importante para que os professores possam adequar o ensino à diversidade dos seus alunos e para que estes se conheçam melhor e rentabilizem o seu trabalho adotando um método de estudo conveniente às suas características. Neste artigo debruçar-nos-emos sobre a inteligência lógico-matemática.

Inteligência lógico-matemática

Características:
Números e raciocínio lógico são algo que agrada particularmente a quem possui uma inteligência lógico-matemática desenvolvida. São pessoas caracterizadas pelo gosto e pela competência na interpretação e na categorização dos factos e da informação, no cálculo, no raciocínio lógico e na busca de explicação para tudo. Sentem-se desafiadas perante problemas envolvendo raciocínio, que procuram resolver de forma metódica e persistente. Divertem-se a resolver os "quebra-cabeças" das revistas e dos jornais.

Como podem os professores/educadores ajudar os alunos/crianças/jovens no desenvolvimento desta inteligência:
Há vários recursos e atividades que estimulam a inteligência lógico-matemática e que, por conseguinte, os professores/educadores podem utilizar com os seus alunos/educandos (e também com eles próprios). Entre eles contam-se: puzzles, jogos, computador, materiais manipulativos, categorização de factos e de informação, analogias, pesquisa, experiências laboratoriais, mnemónicas, mapas de ideias.

Em vários artigos anteriores referimos algumas das atividades enunciadas, particularmente as mnemónicas e os mapas de ideias. As mnemónicas são palavras ou frases criadas com o objetivo de servirem de auxiliares de memória e podem ser criadas pelo próprio aluno (Quem não se lembra da célebre quadra: Trinta dias tem novembro/abril, junho e setembro/Com 28 só há um/Os restantes 31?). Os mapas de ideias são uma das várias formas possíveis de organizar graficamente a informação, articulando-a de forma lógica, constituindo preciosos auxiliares na compreensão da matéria que se estuda e em revisões posteriores.

A prática de diversos jogos é uma forma lúdica de desenvolver a inteligência lógico-matemática. A título de exemplo referiremos o Jogo do Galo, o Quatro em Linha, o Xadrez e o Su Doku. Trata-se de jogos diferentes, com graus de dificuldade variados.

Tarefas que envolvem abstração, tão do agrado de quem tem a inteligência lógico-matemática desenvolvida, podem mostrar-se mais difíceis e menos apelativas para quem tem dificuldades nessa área. Além das atividades já sugeridas para o seu desenvolvimento, o recurso a gravuras, movimento ou materiais manipulativos pode facilitar a resolução de problemas a essas crianças, favorecendo também o sentimento de competência pessoal necessário à criação/ao reforço da autoestima e ao gosto pela aprendizagem.

Se lhe parece que a inteligência lógico-matemática não é o seu 'forte' ou o do seu filho, não desespere. As várias sugestões dadas são apenas algumas atividades e recursos a que pode deitar mão para desenvolver essa área. Por outro lado, certamente terá, como predominante, um dos outros tipos de inteligência de que temos vimos a falar noutros artigos ou de que ainda viremos a falar. Sugerimos a sua consulta.

Bibliografia:

Antunes, C. (2005). As inteligências múltiplas e os seus estímulos.Porto: Edições ASA.
Chapman, C. (1993). If the shoe fits... How to develop multiple intelligences in the classroom.Palatine, Illinois: IRI/Skylight, Inc.
Chapman, C. & Freeman, L. (1997). Multiple intelligences: Centers and projects.Palatine, Illinois: IRI/Skylight, Inc.
Gardner, H. (1993). Frames of Mind: The Theory of Multiple Intelligences.London: fontana Press.
Zenhas, A., Silva, C., Januário, C., Malafaya, C., & Portugal, I. (2002). Ensinar a estudar Aprender a estudar (4.ª ed.). Porto: Porto Editora.

Armanda ZenhasMestre em Educação, área de especialização em Formação Psicológica de Professores, pela Universidade do Minho. É licenciada em Línguas e Literaturas Modernas, nas variantes de Estudos Portugueses e Ingleses e de Estudos Ingleses e Alemães, e concluiu o curso do Magistério Primário (Porto). É PQA do grupo 220 no agrupamento de Escolas Eng. Fernando Pinto de Oliveira e autora de livros na área da educação. É também mãe de dois filhos.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A informação aqui apresentada não substitui a consulta de um médico ou de um profissional especializado.
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários seja o primeiro!