EDUCAÇÃO

Como organizar eficazmente o tempo de estudo

Organizar o tempo de estudo é uma competência que deve ser desenvolvida desde cedo. A elaboração de um horário de estudo pode facilitar essa tarefa.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A organização do tempo de estudo dos nossos estudantes costuma ser determinada pelas datas dos testes. Em vésperas de um teste, estuda-se. Quando não há testes à vista, deixa-se para amanhã (ou para depois de depois de amanhã) aquilo que se deve fazer hoje. Aprende-se a técnica no Ensino Básico e ela perdura pela vida estudantil fora, determinando noitadas e "diretas" nos anos mais avançados e insucessos ou aprendizagens mal coladas em todos eles.

Organizar o tempo de estudo é uma competência que deve ser desenvolvida desde cedo. A elaboração de um horário de estudo pode facilitar essa tarefa. Os estudantes, principalmente se são muito jovens, precisam, para isso, do apoio dos professores e dos pais. Calvin, o nosso amigo da banda desenhada, aprendeu como o fazer e partiu para a tarefa muito entusiasmado, mas sozinho...

Calvin sabia que o seu estudo seria mais eficaz se organizasse o tempo. Ele sabia que devia prever um determinado tempo para estudar cada disciplina. Apenas se esqueceu de adequar os espaços de tempo às necessidades de estudo. Vejamos algumas regras para que essa organização seja eficaz:

- Diariamente é necessário fazer revisões das matérias dadas nesse dia e os TPC.

- Nos dias em que há menos aulas, deve ser feito um estudo mais aprofundado das várias matérias, incidindo particularmente sobre aquelas em que se tem mais dificuldades.

- O estudo deve ser iniciado por uma disciplina de dificuldade média, seguindo-se as mais difíceis. Para o fim ficam as mais fáceis, visto já se estar mais cansado e menos apto a um grande esforço.

- Ao fim de cada espaço de 20 a 40 minutos, deve ser feita uma pequena pausa, durante a qual não se deve ver televisão ou jogar computador, para que a pausa seja de facto pequena e não se perca a concentração no estudo.

- O tempo a dedicar diariamente ao estudo depende do horário do aluno e do próprio aluno.

A competência de organização do tempo de estudo precisa de ser gradualmente desenvolvida e requer motivação. O papel dos pais é extremamente importante. Eles podem facilitar a criação de condições físicas em casa (local de estudo adequado, impedimento de interrupções ao estudo por parte dos amigos e dos irmãos, etc.), podem valorizar o trabalho dos filhos, podem dar-lhes apoio afetivo. Um elogio ou um carinho após cada pequena conquista podem ser preciosos reforços. Talvez assim os filhos aprendam a usar um relógio de cozinha ou um relógio mental que consiga medir tempos maiores e mais adequados do que o do Calvin.

VÍDEOS RELACIONADOS COM ESTE TEMA
Hábitos de estudo
Armanda ZenhasMestre em Educação, área de especialização em Formação Psicológica de Professores, pela Universidade do Minho. É licenciada em Línguas e Literaturas Modernas, nas variantes de Estudos Portugueses e Ingleses e de Estudos Ingleses e Alemães, e concluiu o curso do Magistério Primário (Porto). É PQA do grupo 220 no agrupamento de Escolas Eng. Fernando Pinto de Oliveira e autora de livros na área da educação. É também mãe de dois filhos.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A informação aqui apresentada não substitui a consulta de um médico ou de um profissional especializado.
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.