PEDIATRIA

Transporte de crianças no automóvel - que cadeira?

Não deixe de utilizar a cadeira de apoio ou banco elevatório antes de a criança ter 150 cm de altura, 12 anos ou 36 kg de peso - só assim o cinto ficará corretamente colocado na bacia e não sobre a barriga.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Após já ter sido explicada a importância do uso das cadeiras no artigo intitulado Transporte de crianças no automóvel, o presente artigo tem como objetivo dar a conhecer que tipos de cadeiras existem e ajudar na escolha da cadeira mais adequada. Para além disso, apresenta as regras para a instalação segura da respetiva cadeirinha.

Classificação das cadeiras:
As cadeiras são classificadas em cinco grupos de peso: 0, 0+, I, II e III. No quadro seguinte, apresentam-se os grupos de cadeiras mais adequados, de acordo com peso e idade da criança:

Grupo Peso Idade (aprox.) Posição da cadeira
0 - Alcofa Só para casos especiais De lado
0+ Até 13 kg Até 12-18 meses Virada para trás
0+/I ou I Até 18 kg 12 meses-3/4 anos Virada para trás
0+/I ou I Até 18 kg 18 meses-3/4 anos Virada para a frente
II/III 15-36 kg 4/6 anos-12 anos Virada para a frente
III 22-36 kg 8/9-12 anos Virada para a frente

Até aos 18 meses: A alcofa está indicada em alguns casos especiais, nomeadamente de recém-nascidos com hipotonia severa, problemas respiratórios na posição semissentada, cirurgia recente à coluna, colar cervical ou outros, devidamente avaliados pelo profissional de saúde.
  • Cadeirinhas 0-13 kg (Grupo 0+): São habitualmente chamadas "cadeiras portáteis" e são sempre instaladas voltadas para trás. São as mais indicadas para recém-nascidos e bebés pequenos, já que nestas o bebé viaja semissentado e vai bem aconchegado e confortável. São preferíveis às alcofas, onde o bebé viaja deitado, não é bem amparado e grande parte dos embates são transformados em choques laterais, muito mais perigosos para a criança. Podem ser instaladas no banco de trás (mais seguro) ou da frente (último recurso, nunca com airbag frontal ativo), utilizando um cinto de 3 pontos ou sistema isofix.
  • Cadeirinhas 0-18 kg (Grupo 0+/I): muitas vezes não é possível usar a cadeira 0-13 kg até a criança ter 18 meses, pelo que poderá ser necessário usar uma cadeira até aos 18 kg, voltada para trás. Estas cadeiras não são apropriadas para bebés com menos de 8-9 meses, porque a criança já viaja completamente sentada. Não se preocupe quando a criança começar a bater com os pés no banco do carro ou quando ficar com as pernas um pouco dobradas. Não é desconfortável nem pouco seguro. Continue a usar a cadeira voltada para trás - a proteção mais segura. Tal como as anteriores, estas podem ser instaladas no banco de trás (preferível) ou da frente (último recurso, nunca com airbag frontal ativo), num lugar com cinto de 3 pontos, ou através de sistema isofix.
O cinto de 3 pontos é um cinto de segurança completo, com uma faixa subabdominal (horizontal) e uma faixa que fica sobre o ombro (diagonal). Este cinto permite montar cadeirinhas para crianças e protege melhor os adultos que o cinto de 2 pontos, que apresenta apenas a faixa subabdominal (horizontal). Este último não permite a instalação de uma cadeirinha (a não ser que o contrário seja explicitamente declarado nas instruções da cadeirinha). É mais seguro utilizar um lugar equipado com um cinto de 3 pontos para o transporte de qualquer passageiro.

O sistema isofixé um sistema de fixação ao carro através de encaixe, presente em alguns veículos mais recentes. Aumenta a segurança das crianças e facilita a instalação das cadeiras, diminuindo os erros de colocação. Exige cadeiras específicas (com sistema isofix), que encaixam em dois pontos inferiores (na base das costas do banco do automóvel) e se fixam num terceiro ponto ou apoiam no chão do carro. A existência de três pontos é essencial para evitar rotação da cadeira em caso de acidente. Aplica-se sobretudo a cadeiras do grupo 0+ e I, mas nem todas são universais (deve-se verificar sempre nas instruções se a cadeira é compatível com o automóvel e se este está preparado para receber a cadeira escolhida).

Depois dos 18 meses:
A criança deve viajar voltada para trás até quando?
Viajar voltado para trás é a melhor proteção que podemos dar às crianças, logo devemos mantê-las nessa posição até o mais tarde possível - de preferência até aos 3-4 anos. Como já foi referido, a criança apresenta um pescoço frágil e a cabeça grande e pesada. Estas características levam a que, ao transportarmos uma criança no automóvel de frente para o trânsito, o movimento da cabeça possa provocar lesões muito graves e por vezes irreversíveis, no caso de um acidente. Se a criança viajar numa cadeirinha de costas para o trânsito, a sua cabeça e pescoço são apoiados uniformemente no momento do embate. Infelizmente, com as cadeiras que existem em Portugal, isto não é possível para todas as crianças. No entanto, pelo menos até a criança completar os 18 meses, deve viajar sempre voltada para trás. Algumas cadeiras permitem, em alguns automóveis, viajar com as crianças voltadas para trás até mais tarde, 3-4 anos, sem qualquer problema. Contacte a marca do seu automóvel para saber se existe uma destas cadeiras para o seu carro. Para além disso, é possível ver a criança no retrovisor sem sequer se distrair da sua condução, utilizando um espelho que é instalado na parte de trás do automóvel. Pode encontrá-lo nas lojas de puericultura e alguns concessionários de marcas de automóveis.
  • Cadeirinhas 0-18 kg (Grupo 0+/I) e 9-18 kg (Grupo I): as cadeiras 0-18 kg possibilitam que a criança viaje voltada para trás até o mais tarde possível - é a mesma cadeira que a criança já usava antes de ter 18 meses. É natural que a criança tenha os pés a bater no banco do carro e as pernas um pouco dobradas. Não é desconfortável nem pouco seguro, aliás muito pelo contrário. Se utilizar uma destas cadeiras voltada para a frente, nunca o faça antes dos 18 meses de idade, e prefira um sistema isofix ou certifique-se de que não existe folga entre a cadeira e o banco do automóvel.
    As cadeiras do 9-18 kg são pouco aconselháveis, pois só podem ser voltadas para a frente e a criança necessita de viajar voltada para trás pelo menos até aos 18 meses. Prefira as cadeiras 0-18 kg em vez das 9-18 kg.
  • Cadeiras 15-36 kg (Grupo II/III): cadeiras de apoio nas quais o cinto de segurança do automóvel segura a criança e a cadeira simultaneamente. Se escolher um modelo com as costas destacáveis (cadeira que se transforma num banco elevatório), poderá usá-lo até a criança ter 12 anos, 150cm de altura ou 36Kg de peso. Podem ser usadas a partir dos 2-3 anos, dependendo do peso e altura da criança.
  • Bancos elevatórios 15-36 kg (Grupo II/III) ou 22-36 kg (Grupo III): por volta dos 7-8 anos, poderá utilizar apenas o banco elevatório se o cinto de segurança já não incomodar no pescoço e se o automóvel tiver apoio de cabeça. Se o seu carro não tiver encostos de cabeça nos bancos de trás, é melhor continuar a usar a cadeira de apoio completa para que a criança tenha o pescoço protegido em caso de choque por trás. Por outro lado, pode também continuar a usar a cadeira de apoio se esta for suficientemente alta (apresenta mais proteção lateral).
Não deixe de utilizar a cadeira de apoio ou banco elevatório antes de a criança ter 150 cm de altura, 12 anos ou 36 kg de peso - só assim o cinto ficará corretamente colocado na bacia e não sobre a barriga.

Instalação segura:
  • Siga as instruções do manual para instalar a cadeira. Guarde-o no carro, pois pode ser necessário consultá-lo mais tarde, se trocar de automóvel ou para adaptar o cinto de segurança, à medida que a criança cresce.
  • A cadeira deve ser presa ao automóvel, com o cinto de segurança (que não pode ficar torcido) ou através de um sistema isofix, num lugar sem airbag frontal ativo (pode ser fatal em caso de colisão).
  • Certifique-se de que a cadeira fica firme depois de instalada: os movimentos para a frente e laterais devem ser mínimos.
  • Nas cadeiras que têm cintos internos é muito importante que estes estejam sempre bem ajustados. Regule o comprimento deste em função da espessura da roupa da criança, de modo a ser impossível colocar mais de um ou dois dedos entre a criança e o cinto.
  • Se utilizar o cinto do automóvel, passe-o ao nível dos ombros, e não do pescoço, para evitar magoar. Deve utilizar um cinto de 3 pontos, em vez do cinto de 2 pontos.
  • As cadeiras viradas para a frente só podem ser transportadas no banco traseiro, salvo raras exceções. Transporte a criança, até o mais tarde possível, voltada para trás - a melhor proteção.
  • Os lugares de trás são mais seguros. Coloque as cadeirinhas de forma que as crianças entrem no automóvel sempre pelo lado do passeio. Só deverá transportar uma criança no banco da frente em último recurso.
  • Se a cadeira já esteve envolvida num acidente, não volte a utilizá-la. Mesmo que aparente estar em condições, poderá ter ficado com os fechos ou apoios fragilizados.
Não facilite! Mais vale prevenir que remediar!

Cláudia Patraquim, com a colaboração de Manuela Costa Alves, Pediatria, Serviço de Pediatria do Hospital de Braga
Serviço de Pediatria do Hospital de BragaEste espaço é da responsabilidade da equipa médica do Serviço de Pediatria do Hospital de Braga, instituição certificada pelo Health Quality Service (HQS).
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A informação aqui apresentada não substitui a consulta de um médico ou de um profissional especializado.
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.