PEDIATRIA

Videojogos: o que os pais precisam de saber

Além de monitorizarem atentamente o conteúdo dos videojogos, os pais devem impor regras rígidas relativamente ao número de horas despendido com o jogo, uma vez que essas medidas permitem reduzir o risco de resultados escolares adversos e comportamentos agressivos.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Os videojogos podem ser bastante benéficos para as crianças, estimulando o pensamento estratégico, criatividade e sentido de cooperação. No entanto, a exposição a videojogos de conteúdo violento, durante várias horas, todos os dias, pode diminuir o rendimento escolar e aumentar comportamentos agressivos. A indústria dos videojogos (e quando me refiro aos videojogos pretendo incluir na designação os jogos de computador e de consola) tem vindo a crescer, de forma exponencial, ao longo dos últimos 30 anos. Desde cedo se reconheceu que os computadores e videojogos de carácter educativo poderiam influenciar positivamente o rendimento escolar e melhorar a inteligência espacial e visual.

Atualmente, os videojogos representam uma das atividades lúdicas favoritas das crianças, pelas suas propriedades gráficas e interativas. Contudo, associado à melhoria da qualidade gráfica das imagens, foram aumentando os níveis de violência de grande parte dos videojogos comercializados e de horas diárias gastas com a sua prática, motivo de preocupação para pais, pediatras e professores.

Que efeitos podem ter os videojogos nas nossas crianças?
Um relatório recente divulgado pelo Parlamento Europeu conclui que os videojogos podem ser bastante benéficos para as crianças, estimulando o pensamento estratégico, criatividade e sentido de cooperação. Refere ainda que, apesar de na maioria dos casos serem inofensivos, podem, em determinadas circunstâncias, estimular comportamentos violentos, dado o seu conteúdo.

Recentemente, tem aumentado o número de estudos que demonstram que a exposição das crianças a videojogos de conteúdo violento, durante várias horas, todos os dias, pode diminuir o seu rendimento escolar e potenciar comportamentos agressivos, nomeadamente discussão com os professores e envolvimento em lutas. De forma associada, verifica-se que a grande maioria das crianças e adolescentes considera os jogos de carácter violento mais aliciantes. Como é óbvio, os comportamentos agressivos não podem ser explicados unicamente com base na veiculação de violência através dos videojogos e outros meios de comunicação. Contudo, a exposição à violência explícita dos videojogos pode constituir um dos vários fatores desencadeantes, em crianças e adolescentes predispostos.

Estão ainda descritos efeitos potencialmente prejudiciais dos videojogos nos padrões de sono, aprendizagem e memória das crianças. A sua prática, sendo sedentária, pode associar-se à diminuição da prática de exercício físico e obesidade. E, obviamente, os videojogos em excesso acabam por retirar tempo ao estudo, elaboração dos trabalhos de casa, leitura, convivência familiar e brincadeiras com os amigos.

E de que forma podemos, enquanto pais, minorar os efeitos potencialmente adversos dos videojogos?
O papel dos pais é preponderante, através da imposição de limites na quantidade de tempo gasto com os mesmos, supervisão cuidadosa do seu conteúdo, aquisição preferencial de videojogos de carácter educativo e na estimulação de práticas mais saudáveis, como o exercício físico.

Algumas diretrizes internacionais recomendam que as crianças não sejam expostas a mais do que uma a duas horas diárias aos meios de comunicação, incluindo televisão, filmes, DVD ou videojogos. Além de monitorizarem atentamente o conteúdo dos videojogos, os pais devem impor regras rígidas relativamente ao número de horas despendido com o jogo, uma vez que diversos estudos indicam que essas medidas permitem reduzir os riscos de resultados escolares adversos e a aquisição de comportamentos e atitudes agressivos. Os videojogos e outros meios de comunicação não devem, pois, ser utilizados como babysitter eletrónica.

Importa também referir que os pais não devem depositar excessiva confiança na idade mínima estabelecida para cada videojogo, já que essa informação não elimina, de forma segura, a potencial existência de violência no mesmo. Assim, quando da aquisição de um videojogo, o seu conteúdo deve ser avaliado atentamente.

Os pais devem estar alertados ainda para a existência de um mercado em expansão de jogos online, nem sempre sujeitos a controlo por parte das autoridades competentes, e aos quais as crianças e adolescentes acedem facilmente através da internet.

Maria João Magalhães, com a colaboração de Helena Silva, pediatra do Serviço de Pediatria do Hospital de Braga
Serviço de Pediatria do Hospital de BragaEste espaço é da responsabilidade da equipa médica do Serviço de Pediatria do Hospital de Braga, instituição certificada pelo Health Quality Service (HQS).
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A informação aqui apresentada não substitui a consulta de um médico ou de um profissional especializado.
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.