8 maneiras de dar mais significado às férias de Natal das crianças

Toda a gente sabe o quão “stressante” pode ser a época natalícia. Listas intermináveis de presentes para comprar. Parentes para visitar e pouca vontade de o fazer. Com as crianças em casa tudo se pode complicar. Ainda assim, as férias escolares podem tornar-se mais significativas para as crianças.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Os adultos não precisam de ter muito tempo livre, mas terão forçosamente de o gerir melhor. É mesmo necessário correr para todos os centros comerciais com os miúdos às costas? Não será bem mais importante proporcionar às crianças “momentos de qualidade” em família? Algo que pode ser mais simples do que pensa. Basta não complicar. Nada de planos megalómanos. Só assim vai conseguir evitar o grande mal das promessas não cumpridas.

Especialistas na área da parentalidade recomendam aos pais que ponham um travão no ritmo frenético da quadra. Afinal, o Natal é a celebração de um nascimento. Por isso, dê uma atenção especial aos meninos e meninas que tem aí em casa. Faça-os ter boas recordações do final de 2015. Leia oito sugestões que podem dar mais significado a estas férias.

1)    Não queira fazer tudo o que não fez durante ano.
O objetivo é proporcionar às crianças alguns (e não todos) “momentos de qualidade”. E (algumas) boas recordações desse tempo passado em família. Esqueça a quantidade. Em 2016 poderá planear melhor o que fazer durante as pausas da escola.  

2)    Inaugure a prática das reuniões de família.
É uma forma de convívio e de comunicação onde se abordam temas de interesse para os adultos, mas também para as crianças. A primeira reunião pode ter na agenda o tópico: “O que correu bem e mal em nossa casa durante o ano de 2015?”

3)    Ensine algo novo.
As crianças gostam de desafios. Aprender algo novo pode ser divertido e até produtivo para a família. De acordo com as idades, pode ensinar as crianças a fazer bolachas, a pôr a máquina de lavar a roupa a funcionar, a coser o botão de um casaco, a ligar o computador, a gravar os desenhos animados na box da TV.

4)    Participe numa atividade de tempos livres.

Existem muitos museus e centros de ciência que, por esta altura, têm programas especiais de “Férias de Natal” repletos de atividades lúdicas e pedagógicas. Não sugerimos que inscreva a criança, mas sim que se inscreva juntamente com ela. Pode aproveitar o fim de semana.

5)    Visitar alguém importante.

Pode não ser da família, importa apenas que a visita tenha importância para a criança. Seja um amigo que mudou de escola, uma ex-vizinha, a educadora do pré-escolar, o dono da mercearia que fechou.  

6)    Ajudar quem precisa.
Roupas que deixaram de servir, mas estão em bom estado. Brinquedos como novos esquecidos nos armários. São duas situações comuns nos quartos das crianças. Porque não convencê-las a fazer uma triagem e ir com elas a uma instituição doar o que já não lhes faz falta?

7)    Arrumar e limpar o quarto.
Um quarto limpo e arrumado condiz muito bem com a árvore de Natal, os arranjos com velas e os centros de mesa. Este pode ser o argumento ideal para convencer a criança a embarcar na aventura da responsabilização. Dê-lhe alguma margem para mudar a disposição dos móveis e trocar os brinquedos de sítio.

8)    Agradecer os presentes
Se ainda é o Pai Natal que desce pela chaminé (onde por acaso existe o exaustor) e traz os presentes esta sugestão não é válida. Mas se a criança já sabe que são os pais, os avós, tios e amigos quem dá as prendas, depois da consoada pode ser divertido recordar quem deu o quê e agradecer à pessoa, com um telefonema, um email, uma SMS ou escrevendo um postal.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.