Pais querem mais ação na luta contra a indisciplina nas escolas

    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
A Federação Regional de Lisboa das Associações de Pais (FERLAP) defendeu hoje que mais do que falar sobre a indisciplina escolar é preciso agir porque o problema é velho e tem vindo a agravar-se, apesar dos sucessivos alertas.

“A FERLAP vem desde há muito alertando para uma situação que se tem vindo a agravar com o passar do tempo, sem que nada de concreto tenha sido feito para a resolver”, escreve a Federação a propósito da indisciplina nas escolas, um dia depois de um estudo que envolveu perto de 54 mil alunos ter revelado que no ano letivo de 2015/2016 houve mais de 11 mil participações disciplinares.

“Talvez esteja na altura de alterarmos as coisas, talvez esteja na altura de deixarmos de reagir e passarmos a agir para prevenir”, alerta a FERLAP, que aponta algumas das sugestões que tem feito ao longo dos anos: colocar animadores nos recreios das escolas a dinamizar jogos e diversões, identificando logo qualquer pequeno conflito que possa ocorrer.

“Hoje, os quase 43 anos de democracia não produziram o que se esperava de uma Revolução, continuamos a ser um povo conformista e reagente, apenas nos preocupamos depois de acontecer, falamos muito e fazemos pouco”, acrescenta.

O Ministério da Educação desdramatiza, sublinhando que os dados reportados pelas escolas indicam que em 2014/2015 foram instaurados 215 procedimentos disciplinares que originaram transferência de escola (a medida mais gravosa), o que representa 0,01% do total dos mais de um milhão de alunos.

Contudo, o autor do estudo fala em “mais de 11 mil participações disciplinares (ordem de saída da sala de aula) em apenas 5,4% da totalidade dos agrupamentos/escolas em Portugal, num universo de 53664 alunos”, frisando que, “extrapolando para uma amostragem da totalidade dos agrupamentos/escolas em Portugal, levaria a um número de mais de 206 mil participações disciplinares num só ano”.

O estudo, da responsabilidade de Alexandre Henrique, responsável do blogue de educação “ComRegras”, foi feito em parceria com a Associação Nacional de Diretores de Agrupamento e Escolas Públicas (ANDAEP).

“Estamos perante a ponta do icebergue. O Ministério de Educação e a sociedade em geral têm que ter consciência de que a indisciplina é um problema recorrente e grave na sala de aula.

Basta um aluno para estragar uma aula e nem precisa de insultar ou agredir para que o processo de ensino aprendizagem seja posto em causa”, alerta Alexandre Henriques.

No novo estudo, a que a agência Lusa teve acesso, lê-se também que o ciclo de ensino em que ocorreram mais participações disciplinares em 2015-2016 foi o 3.º ciclo (61,70%), sendo o 1.º ciclo o que menos registos obteve, ficando-se por 2,13%.

Segundo o Ministério da Educação, no ano letivo de 2015/2016 foram registados na Plataforma de Registo de Ocorrências de Segurança Escolar um total de 686 casos, a maioria (386) atos contra a liberdade e a integridade física das pessoas.

O valor total é pouco mais de metade das ocorrências registadas em 2014/2015, que chegaram às 1131, menos do que no ano anterior (1321).
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.