23% dos profissionais da educação já viveram situações de stress agudo

Federação Nacional da Educação quer que a lista nacional de doenças profissionais seja atualizada e que as escolas tenham delegados de saúde. Depois de uma campanha e de um diagnóstico, defende que o stress e os problemas de voz devem fazer parte dessa lista.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
O stress deve ou não integrar a lista de doenças profissionais dos professores? A Federação Nacional da Educação (FNE) diz que sim e defende essa inclusão com todas as letras num caderno reivindicativo que enviou ao Ministério da Educação (ME), no mês passado. Problemas na voz e lesões musculoesqueléticas também preocupam a classe docente no exercício das suas funções. Estudos recentes indicam que 30% dos docentes portugueses têm níveis elevados de burnout, 20% apresentam níveis médios, e que o impacto económico dos problemas da voz é muito significativo.

Durante sete meses, a FNE desenvolveu a Campanha Nacional da Saúde para chamar a atenção para questões críticas relativas ao dia a dia dos profissionais da educação. “Partimos para esta ação na convicção de que se torna necessário que todos os atores disponham do máximo de conhecimentos indispensáveis para agirem sobre as condições de trabalho e melhorarem a proteção da saúde nos seus locais de trabalho”, explicou, na altura, a FNE. As sessões passaram por Lisboa, Mafra, Viseu, Coimbra, Aveiro, Porto, Faro, Évora, Santarém, Funchal, Angra do Heroísmo, Ponta Delgada e Horta.

Nesses encontros, foram feitos questionários. Os dados estão compilados e as situações de stress agudo nas escolas saltam à vista em 223 questionários validados. Nesta área, 23,3% dos profissionais que trabalham nas escolas revelam que já experienciaram situações agudas de stress profissional, 17,4% afirmam desconhecer os fatores de risco a nível profissional que podem gerar stress e 38,5% dizem desconhecer a síndrome de burnout - 43,9% admitem mesmo ignorar os sintomas de burnout.

Uma percentagem significativa de 85% admite que até à campanha promovida pela FNE não tinham tido qualquer formação sobre a questão do stress em educação. Os fatores de risco, a nível profissional, que podem gerar stress estão identificados. Turmas com muitos alunos, elevada carga horária, alterações permanentes na organização do sistema educativo, incerteza profissional, indisciplina, burocracia, competição, mau relacionamento profissional, excessiva extensão dos programas, são alguns desses fatores.

Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos de Escolas Públicas (ANDAEP) e diretor do Agrupamento de Escolas Costa Matos, em Vila Nova de Gaia, garante que o stress se sente nas escolas. “A profissão docente é uma profissão muito específica e o stress sente-se perfeitamente, não tanto por parte dos mais velhos, mas daqueles que dão aulas há alguns anos”, refere ao EDUCARE.PT. “Stress na docência sente-se cada vez mais, as turmas são maiores, os alunos e os pais são mais exigentes, a burocracia é cada vez maior, e o horário escolar vai muito para além das 40 horas”, sublinha.   

Delegados de saúde nas escolas
No questionário da FNE relativamente aos problemas de voz, a maioria dos inquiridos respondem que, por vezes, sentem que a voz piora à noite e um número significativo conta que têm passado por situações em que tem dificuldade de se fazer ouvir em ambientes ruidosos. Em relação às lesões musculoesqueléticas, 50% dos inquiridos revelam que já faltaram ao trabalho por esse tipo de problemas e 95% afirmam que os problemas de saúde estão frequentemente relacionados com as condições de trabalho.

Paula Carqueja, presidente da Associação Nacional de Professores (ANP), concorda com a FNE e defende que os problemas de voz que afetam os professores devem voltar a ser considerados doença profissional. “A voz é um instrumento de trabalho dos professores”, diz ao EDUCARE.PT. Há fatores que contribuem para o desgaste nesta profissão. “A instabilidade profissional, o ambiente, a idade da reforma que foi aumentada”, enumera. E as constantes mudanças desestabilizam projetos de vida dos professores. Por outro lado, Paula Carqueja alerta para a situação dos educadores de infância que têm de se adaptar ao mobiliário que, muitas vezes, é feito à medida dos mais novos. Mesas, cadeiras, e móveis mais pequenos obrigam as costas a dobrarem-se mais do que deviam, obrigam a ter o corpo à altura das crianças. Posições que podem originar complicações de saúde a quem tem de se mover alguns centímetros mais abaixo.  

Informação disponibilizada, sensibilização feita, trabalho de diagnóstico terminado, a FNE defende que elevados níveis de stress docente exigem alterações na lista de doenças e apresenta várias sugestões à tutela. Além dessa atualização, sugere uma entrevista médica anual gratuita a todos os trabalhadores da educação para deteção de problemas de saúde, particularmente os que decorrem do exercício da atividade profissional. A FNE defende que todas as escolas devem eleger delegados de saúde e segurança no trabalho com efetiva capacidade de intervenção para, desta forma, denunciarem e corrigirem condições de trabalho que ponham em risco os profissionais.
 
A FNE pretende que haja um novo paradigma de prevenção centrado nas doenças profissionais e não só nas lesões no trabalho. A inclusão dos temas saúde e segurança no trabalho na formação inicial dos professores e uma formação contínua nessas áreas para todos os profissionais da educação são outras sugestões que apresenta. Envolver pais e alunos na promoção de uma cultura de saúde e segurança na comunidade escolar é outro aspeto que valoriza.

A Federação Nacional dos Professores (FENPROF) vai abordar o stress na profissão docente a 2 de fevereiro no anfiteatro do edifício novo da Assembleia da República, das 14h30 às 18h. Ivone Patrão e Marcelino Mota, psicólogos clínicos, falarão sobre causas e consequências desse stress e medidas a tomar. Os grupos parlamentares estão convidados a assistir e a participar. A FENPROF quer que o stress e o burnout de quem trabalha nas escolas sejam esmiuçados por quem estuda e percebe a matéria. Mário Nogueira, secretário-geral da FENPROF, lembra que cerca de 30 mil pessoas assinaram uma petição que defende um regime excecional de aposentação para a classe docente. “Hoje os professores não têm qualquer tipo de proteção por causa das doenças profissionais”, refere ao EDUCARE.PT. “Não há uma lista de doenças profissionais”, acrescenta.
    • a
    • a
  • comunidade
  • comentar
  • imprimir
Comentários
Inicie sessão ou registe-se gratuitamente para assinar os comentários
  • submeter
  • cancelar
  • visualizar
Não existem comentários. Dê-nos a sua opinião!
 
Para salvaguardar o bom funcionamento deste espaço, todos os comentários são sujeitos a um processo de filtragem e validação editorial, pelo que só serão aceites participações sem linguagem obscena, difamatória, ameaçadora ou caluniosa.

O EDUCARE.PT reserva-se o direito de não validar todos os comentários que não se enquadrem nestes pressupostos e que não se relacionem, única e exclusivamente, com a atualidade educativa.
Recordamos ainda que todas as mensagens são da exclusiva responsabilidade dos participantes, nomeadamente, no que respeita à veracidade dos dados e das informações transmitidas.